Categorias
Entre com qualquer palavra a ser procurada

Em destaque

A grande atriz, compositora, diretora de teatro, cantora Bibi Ferreira realiza um sonho pessoal de cantar em Nova York neste domingo no Lincoln Center em Nova York. Com mais de 70 anos de carreira, Bibi nunca havia se apresentado nos Estados Unidos, apesar de uma extensa carreira internacional. Em uma recente entrevista ao Vejatv.com, Bibi contou que desde menina, sonhou estar em NY para se apresentar.
Morreu nesta manha, o ator Emílio Santiago em São Paulo O Ator vai deixar muitas saudades.
Interview by Ernest Barteldes Few Brazilian jazz performers today have reached the global status of Eliane Elias, who went from performing with Vinicius de Morais in her early career to becoming a bona-fide star in her own light. On her new album I Thought About You: A Tribute To Chet Baker, Elias looks back at the tragic trumpeter’s  storied career by giving a fresh interpretation to many tunes identified with him, mixing “cool” West Coast jazz grooves with Brazilian-flavored tunes and some straight-ahead jazz. We caught up with Elias over a phone interview and she gave us an exclusive personal story on how she met the legendary cool jazz pioneer just a few years before his untimely death. The Brasilians - So how did the concept of doing a Chet Baker tribute come to light? Eliane Elias - When I signed with Concord records, I had a couple of ideas – the first being a Chet Baker tribute and a Brazilian-themed album. They wanted me to do the Baker one first, but I had just released a live instrumental jazz album called Eliane Elias Plays Live, and before that I had done a tribute to Bill Evans, so I thought it would be better to do the Brazilian one first, so we did that one first, which was Light My Fire.  Three years later, the time came to make this album, which has been on the works for quite some time. I recorded Bossa Nova Stories, I included a version of “The More I See You,” a song that I had heard a lot with Chet Baker. I have a great proximity with the material he left us. The first reason is because like him, I sing and play an instrument. There is a difference when you hear an instrumentalist who also sings – the form that he or she presents the material, the way that he or she delivers the tune.  Chet’s sound has no affectation, and his phrasing influenced many of our great musicians from the bossa era. It is documented that João Gilberto was very influenced by Chet Baker, and the whole Bossa Nova movement was heavily influenced by cool jazz. I remember Vinicius (de Morais), with whom I worked for three years, he would show me songs by Chet Baker. His golden era, during the 50s, that went all over the world, and it influenced us in Brazil. Many people associate Chet Baker with jazz songs and ballads, but Chet played and sang a much wider spectrum of material, he did a lot of instrumental things early in his career, he played with such fluidity – the way that he played – he did a lot of uptempo songs, and of course the ballads. When I chose the material, I wanted to look at the larger spectrum of his career and include other things that were part of the music he left us. So, some of the songs are uptempo, other mid tempo – I didn’t shy away from the ballads, especially the ones that were poignant, such as “I Get Along Without You Very Well” or “You Don’t Know What Love Is,” which are tunes that are almost painful, because they have a great melody and the lyrics have a lot to say. At the same time, I also did some straight ahead tunes that show a different side, because it gives a chance to those who know me as a singer to hear me doing actual jazz – pure jazz. When I set to prepare the material, Chet, in his final eight years, he only worked without drums. There is an interview that he said, “Cool jazz has to be listened to very carefully.” Cool  jazz does have that – so I did half the album without drums. TB - I was wondering about that, actually. EE - There you go – there is a famous quote of his in which he says, “It takes a great drummer to be better than no drummer at all.”  I do have two great drummers on the record, though.  Among the musicians who are on the record, (bassist) Marc Johnson actually played with Chet Baker on a live setting, and drummer Victor Lewis also worked with Chet. But Marc and Victor… TB -Stan Getz, yes? EE - That is correct. That cool jazz sound on the record comes with the authenticity of having both Marc and Victor playing on it, because they both worked with cool jazz pioneers. We also brought in (trumpeter) Randy Brecker – he played so beautifully in the studio, if you had been there in the studio you would have seen how excited we were that every note he played was so great. On one of the songs, I transcribed Chet’s original line (hums the melody of “That Old Feeling”), and it sounded just as Chet had played it. And of course we couldn’t do this album without including a little bit of our Brazilian sound, so three of the songs in that format. One was “Embraceable You,” which features musicians that I love – Oscar Castro-Neves on guitar, Rafael Barata on drums and Marivaldo dos Santos on percussion, plus Marc Jonson.  One arrangement that was interesting was one that came to life when Marc and I were having breakfast, and I was telling him about how jazz influenced bossa – when you hear jazz, you hear that rhythm (mouths a jazzy beat), and in bossa (mouths a down tempo beat) – so there is that synergy. So he said, ‘You should do a song that goes from one beat to another,’ like you just did to me, so that was the genesis of the arrangement for “There Will Never Be Another You.” It’s nice, isn’t it? It starts with a Brazilian beat and then switches to straight ahead – and that at the end, I do a trade between the Brazilian beat and Victor Lewis’ straight-ahead. So the idea came from that – to show how things are connected and how flawless it can be, and  how natural it could be. TB - So how did you decide on how to arrange each tune, I mean, was there some kind of planning or was did it come together more naturally? EE - When I begin arranging, I begin by trying to get the feel of the songs. I already knew I was going to do some songs without drums because of Chet’s form – he did a lot of stuff like that. For instance, there is a song called “Blue Room” that he did acapella,  just with his voice, so I did it only with the accompaniment of Marc’s bass. But as I went along, I thought, ‘this is nice without drums,’ while with others it was different. When I did “Embraceable You” as a bossa, I thought, ‘this song feels right this way.’ I could have made it more Brazilian, but I just felt that I had to mix things up for this one.  I am going to Europe next week, and it makes me every exciting, because it’s never boring. We just finished rehearsing and I called the guitar trio – piano, guitar, bass and voice. TB - Like Jobim said on the documentary House of Tom, you just have to play certain songs, or else the audience will be disappointed – on the film, he says he learned that from Frank Sinatra.  EE - That is true – there are certain songs that if we don’t play – especially when it comes to a performer who has had a long career – some tunes, even if we play shorter versions, we have to play. Even with the guitar trio, I rehearsed “Bananeira,” “Fotografia” – and the cool thing about not having a drummer is that you create much more space, and people can still feel the rhythm, don’t you agree? You feel it in your own way, and people like it.  I have done many duet concerts with Marc in Europe, and even without guitar the audience really gets it, and it keeps me on my toes, you see? TB - So the rhythm section of Johnson and Lewis, which dates from the Getz days – was this a reunion of sorts? EE - No, we all played together in one of Marc’s albums released on ECM. Victor is such a magical player – during one of the sessions, we heard the recording but we couldn’t hear the hi-hat. We were wondering about that, it was like ‘he played that whole song without it, he is just swinging…’ So I called him and asked him about it and he said, ‘Since I was young I always knew what to do. You don’t have to play everything in every song. You have to play what the song requires.’ (laughs). TB - Since we are talking tributes – Your husband Marc played with Chet Baker – did you ever have a chance to meet him? EE - In 1982 I was doing my first-ever gig as a bandleader at a club called Seventh Avenue South with a great group, including Eddie Gomez and Peter Erskine… I was the young sensation in Manhattan, and the place was packed – my first gig. I agreed to play and get paid by the take at the door. As a result, whoever showed and paid admittance, I would get paid from that, because when you're a young player, they don’t know if there is going to be any return, so they don’t want to risk losing money. Anyway, that was the first gig and it was packed. Chet Baker came to talk to me he said, ‘I was here for both sets and I heard you play and I really liked it, and I was wondering if you would like to play with me.  He had this cap on his head, and he removed it and gave it to me as a gift and left.   He later reached out to me for some gigs, but by then I’d heard about his addiction. But back then he was so presentably dressed and soft-spoken. So I kept that cap, and when I traveled to Brazil I gave it to my mom – I said, ‘Mom, I got this from Chet Baker, I will leave it here,’ and it is still there… Eliane Elias is currently on tour, and will be at Birdland  from Tuesday, May 28 to Saturday, June 1. Tickets are $ 40 (general admission) - 315 W 44th St  in New York, For reservations call (212) 581-3080 or visit www.birdlandjazz.com

Economia e Política

Exportadores e importadores precisam conhecer o que o Brazilian Trade Bureau pode ajudar em termos de atrair investimentos para o Brasil, assim como divulgar e promover produtos brasileiros, além de incentivar o turismo no Brasil e a internacionalização de empresas brasileiras. O Brazilian Government Trade Bureau integra a rede de setores de Promoção  Comercial do Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty. Hoje, chefiado pelo Conselheiro Pedro Terra, o Brazilian Trade Bureau  faz parte do Consulado brasileiro  para atender a demanda de negócios. A jurisdição do Trade Bureau não se limita à cidade de Nova York. Na verdade compreende nove estados norte-americanos: Nova York, Nova Jersey, Pensilvânia,  Connecticut, Maine, Massachussets, New Hampshire, Rhode Island e Vermont. Esclarece o Conselheiro Pedro Terra que este importante setor desenvolve diferentes atividades na busca desses objetivos, a partir das  orientações do Departamento de Promoção Comercial do Itamaraty exatamente num momento em que empresários de vários países estão ansiosos para realizar negócios e parceiras com o Brasil.   Em entrevista ao The Brasilians, o Conselheiro Terra esclarece uma série de dúvidas a respeito deste órgão criado para a promoção comercial do Brasil na tentativa de aproximação desta comunidade de homens negócios e dos produtos brasileiros. Selecionamos as perguntas mais comuns feitas no dia a dia deste órgão que funciona desde 1930. TB - O que os  investidores buscam mais saber a respeito de possibilidade de negócios com o Brasil e o que eles encontram como resposta? MT- O Brasil encontra-se em um momento muito positivo de sua história de  desenvolvimento e os empresários estrangeiros percebem isso. O crescimento da  economia brasileira é sólido, sustentado por um mercado doméstico pujante e  altas taxas de investimentos. Como tem sido abundantemente divulgado, o Brasil  foi capaz de retirar da pobreza e incluir no mercado consumidor cerca de 40  milhões de pessoas, nos últimos nove anos, por meio de vários programas  governamentais. Isso é um grande feito, qualquer que seja a escala de  comparação: 40 milhões de pessoas correspondem à população total de muitos outros países considerados importantes.  No Brasil com uma população de 190 milhões de habitantes isto representa um quarto de todo este contingente.  O governo da Presidenta Dilma Roussef assumiu o compromisso  de retirar mais 16 milhões de brasileiros da pobreza até o término de seu  mandato. Desta forma o país fica não só mais justo, mas também mais rico, pois essas  pessoas passam a formar um mercado consumidor dinâmico. A superação da pobreza,  tida como um dos maiores problemas brasileiros, passou a ser uma das chaves no  nosso caminho de sucesso. O Governo brasileiro quer que os empresários  americanos participem dessa história, investindo no Brasil.         TB - O que o investidor internacional interessado no Brasil mais busca? PT - Dentre os setores que mais despertam o interesse  dos investidores estrangeiros,  percebe-se claramente que alguns se destacam não só por suas qualidades e potencialidades próprias, mas  também por serem mais divulgados pelo mundo afora. Esse é o caso do setor de energia, a partir da descoberta do pré-sal (uma imensa  província petrolífera, localizada em águas profundas, ao largo dos Estados de  São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo). Ainda no setor de energia, as áreas  do etanol e da energia eólica também despertam grande interesse, em função dos  fabulosos êxitos brasileiros no campo das energias renováveis.  Podemos dizer que assim também é o caso das oportunidades de investimentos abertas pela próxima  realização da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 e dos Jogos Olímpicos e  Paraolímpicos Rio 2016. São inúmeras as oportunidades em vários setores para os investimentos estrangeiros diretos no quadro desses eventos esportivos, valendo  ressaltar, entre outros, infraestrutura urbana,  aeroportos, hotelaria e comunicações. Outros setores, embora menos divulgados, são igualmente importantes. Eu citaria os investimentos nos setores de tecnologia prioritários, aos quais o Governo brasileiro atribui grande importância e que possuem excelente potencial, notadamente em razão do crescimento da demanda interna brasileira por produtos de maior valor agregado. Os setores de tecnologia prioritários para o Governo Federal são: a biotecnologia, a  nanotecnologia e a tecnologia da informação (TI). O Governo brasileiro oferece uma serie de incentivos ao ingresso de investimentos estrangeiros nesses setores, baseados em marcos legais modernos.  TB - O Trade Bureau tem material informativo que o investidor procura? MT- O Trade Bureau dispõe de material informativo sobre todos os setores da economia  brasileira. Além disso, dispõe de material institucional para orientar o  investidor estrangeiro interessado em realizar negócios no nosso Brasil, como o  “Legal Guide for Foreign Investors in Brazil”, editado pelo Ministério das  Relações Exteriores. Muita dessas informações estão disponíveis no  “site” da BrasilGlobalNet (http://www.brasilglobalnet.gov.br), que tem versões em português, inglês e espanhol Ali também os possíveis investidores encontram outras informações sobre os mais diferentes setores da economia  brasileira.  O Brazilian Trade Bureau canaliza de uma forma direta e objetiva as manifestações de empresários americanos interessados em investir no Brasil às próprias empresas brasileiras, por intermédio de uma rede de pontos focais distribuídos por todo o território nacional. É o chamado “SIPRI”, Sistema de Promoção de Investimentos e  Transferência de Tecnologia para Empresas. TB - O Brazilian Trade Bureau incentiva os empresários brasileiros que venham conhecer estes  investidores? MT - O Trade Bureau tem apoiado a realização de diversas missões empresariais.  Podemos auxiliar na organização da viagem, no agendamento de encontros e no  acompanhamento das visitas. Atuamos no apoio tanto de missões regionais como  setoriais. Recentemente tivemos a visita de  empresários pernambucanos, de vários ramos de atuação, realizada em parceria com a AmCham-Recife que queriam se aproximar de empresas americanas. Já no caso de missões setoriais, me ocorre o exemplo recente do  setor da tecnologia da informação, em que um grupo de empresários de diferentes cidades brasileiras, além de visitar uma prestigiosa feira especializada em Nova  York, manteve dois dias de reuniões, visitas e seminários, em algumas das mais importantes empresas norte-americanas do ramo da tecnologia aplicada à  informação. Em função da importância da cidade, um grande número de autoridades do Governo brasileiro visita Nova York. Estiveram aqui nos últimos meses o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o  Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, para manter encontros com a comunidade empresarial de Nova York, realizar palestras e pronunciar seminários para um público qualificado e interessado nas oportunidades de investimentos que o Brasil apresenta.      O Trade Bureau organiza e apoia a promoção de produtos específicos, como a organização de um pavilhão da cachaça, a bebida nacional  por excelência, em uma feira especializada, dirigida a empresários nova-iorquinos  do setor de bares, restaurantes e distribuição no varejo e no atacado. Ainda no ramo das bebidas, apoiamos, em coordenação com o IBRAVIN (Instituto Brasileiro  do Vinho), vários eventos de promoção do vinho nacional, cuja qualidade se  tornou excepcional. Além disso, costumo visitar empresários e fazer palestras sobre o Brasil para  diferentes públicos do meio dos negócios. Em todas essas oportunidades,  temos recebido manifestações de evidente interesse em fazer negócios com o  Brasil e muitas intenções se concretizaram em negócios efetivos. TB - O Brazilian Trade Bureau trabalha integrado com a Câmara de Comércio Brasil - EUA?  Quais são as outras organizações que estão ligadas?  American Society e outras  câmaras de Comercio de outros países são parceiros? MT - Creio que parcerias resultam em maiores e melhores resultados para o Brasil. A  Brazilian American Chamber of Commerce tem sido um parceiro constante. Conta com  mais de 500 sócios. Realiza eventos significativos do calendário empresarial da  cidade, tais como o “Brazil Summit”.  O esforço de promoções e gestos de aproximação dos dois países é reconhecido através da premiação “ The Person of the Year”,  que se encontra em sua quadragésima - primeira edição.  O Americas Society /Council of the Americas também sendo uma entidade que goza  grande prestígio na cidade tem sido um importante parceiro do Trade Bureau. Recentemente organizou um evento  empresarial com o Estado do Rio Grande do Norte, também buscando investidores e mostrando a potencialidade de investimentos, expondo as variadas e atraentes  oportunidades de negócios nos campos do turismo, da infraestrutura  portuária e aeroportuária, e da energia. Outros grandes parceiros são órgãos do Governo norte-americano, entre os  quais a Prefeitura da cidade de Nova York e escritórios estaduais do  Departamento de Comércio norte-americano.  COMO FUNCIONA: Mesmo com a euforia incontida do melhor momento da economia brasileira os empresários brasileiros acreditam que possam trazer os seus produtos para os USA utilizando de facilidades criadas pelo governo nesta  ponte existente no Brazilian Trade Bureau. Este órgão governamental  incentiva os investidores  internacionais a conhecerem melhor o potencial do Brasil  e suas oportunidades de investimento. Conta com um banco de dados permanentemente atualizado à disposição de americanos e do público de empresas e companhias interessadas no Brasil e de negócios brasileiros que querem colocar seus produtos nos EUA. As informações estão disponíveis gratuitamente on-line em português, inglês e espanhol. No site BrasilGlobalNet (http://www.brasilglobalnet.gov.br) é possível acessar um grande volume de informações de  interesse sobre o Brasil e oportunidades de exportação para produtos  brasileiros. Neste site, de forma pratica e objetiva, um empresário  americano que deseja importar um determinado produto brasileiro, como por exemplo uma caixa de câmbio para automóveis ou sapatos ou açaí, basta que ele digite o código tarifário do produto e o “site” fornecerá o nome e os contatos das empresas brasileiras que trabalham com aquele produto.  Da mesma forma, o exportador brasileiro pode fazer a consulta pelo código tarifário da sua mercadoria e obter nomes e contatos de empresários do mundo todo que têm interesse naquele produto. Se a informação específica não estiver disponível no  site, o Brazilian Trade Bureau está capacitado para responder a muitas consultas técnicas, sempre com a perspectiva de promover as exportações brasileiras e  atrair investimentos norte-americanos para o Brasil. Neste site, além dessas informações específicas, também podem ser encontradas informes de alcance geral, como a série “Como Exportar” publicada há anos  pelo Itamaraty, que é um guia prático sobre como fazer negócios com praticamente  cada um dos países do mundo, assim como estudos de  mercado sobre produtos específicos em localidades específicas. O governo brasileiro esta interessado em aprimorar a prestação de serviços da promoção comercial  brasileira. Recentemente o Ministro das Relações Exteriores brasileiro anunciou em Brasília uma série de medidas que visam a ampliar a rede de setores de promoção comercial em  embaixadas e consulados, que era de 100 unidades em 78 países para 134 em 101 países,  fazendo maior o número de participações em feiras para a promoção de produtos de  exportação brasileiros e de “Road shows” para a divulgação de oportunidades de  investimentos no Brasil, assim como aumentando r o número de pesquisas de mercado.  Mas com tudo isto o Brasil  ainda possui uma complicada burocracia presente em todos os setores  brasileiros. O Brazilian Trade Bureau procura facilitar a vida de quem quer fazer negócios. Trabalhando dentro do Consulado do Brasil em Nova York, o Brazilian Trade Bureau conta com funcionários experientes e treinados que conhecem em  profundidade os desafios do mercado americano e as grandes oportunidades do mercado brasileiro, com muita disposição em compartilhar suas experiências e  suas competências com os empresários dos dois países. E não para por aí. O desafio é grande numa hora em que o Brasil atravessa um grande momento e todas as oportunidades devem ser aproveitadas. O raio de ação de suas atividades busca novos focos de contato. Estão sendo feitos contato com a comunidade acadêmica, onde são transmitidas  de forma regular informações relevantes sobre a economia brasileira a uma lista  de instituições particularmente interessadas no Brasil. E para finalizar o Brazilian Trade Bureau apoia a realização de viagens de estudo ao Brasil de estudiosos que são organizadas principalmente por  escolas de “business”. Este órgão procura regularmente em parceria com outras organizações ministrar palestras sobre economia brasileira em ambientes universitários ou  mesmo no Consulado.  LOCALIZACAO: O Brazilian Trade Bureau se encontra em  Nova York desde os anos 1930. Naquela época, localizava-se no “French Building”, na Quinta Avenida. Hoje, encontra-se nas dependências do Consulado-Geral do Brasil, na Sexta Avenida, entre a 46ª e a 47ª. 1185 Avenidas das Americas – 21st Floor Tel.:(212) 777-7799 • www.brazilny.org  
Mercado imobiliário As notícias sobre a compra de imóveis por estrangeiros nos Estados Unidos tem ocupado os noticiários televisivos, as publicações impressas, e vêm indicando o brasileiro como um dos maiores investidores em imóveis em Nova York. Muitos são proprietários e vivem no Brasil, mas também são portadores do “American dream”, ter a casa própria aqui. A diferença que este sonho para os americanos refere-se a propriedade que servirá de residência, enquanto para os brasileiros é uma oportunidade de negócio. Isto não quer dizer que o sonho não exista inserido no negócio, como no caso de alguns que chegam a pagar mais pelo valor do segundo apartamento, vizinho ao primeiro, visando unir os dois e obter uma varanda de 62 metros quadrados, onde poderá criar um espaço para lazer. O valor pago pelos dois imóveis foi de US$ 4,1 milhões, que somam 260 metros quadrados, no Chelsea, Manhattan. Outros brasileiros também adquiriram unidades no mesmo condomínio, o que confirma  a estabilidade na compra de imóveis sem mostra de queda. Outro ponto que cria a diferença entre os brasileiros imigrantes que vieram “aventurar”, estudar, “fazer dinheiro”, do inglês make money, e na tentativa de se estabelecer aqui, pediram financiamento para a aquisição da casa própria, quando a crise econômica ainda não era visível. Dependentes de emprego, ou negociantes para a comunidade brasileira, como donos de pequenos restaurantes, lojas de produtos usados quase que exclusivamente pelos compatriotas, se viram atingidos pelo problema financeiro dos Estados Unidos, que refletiu no mundo, e não puderam cumprir com o pagamento do financiamento da casa própria. Alguns por excesso de otimismo assumiram prestações que eram totalmente inadequadas à realidade financeira deles. Como muitos americanos, que foram envolvidos pela “fácil” aprovação dos seus contratos financeiros, muitos sem entrada - down payment -, perderam o dinheiro já investido nas prestações e a casa. Os Estados Unidos atingiram um índice altíssimo de desemprego, não havia para quem transferir o financiamento. Então, retornar ao Brasil, que caminhava  em direção a sexta colocação no ranking mundial de países economicamente estáveis, era a saída mais óbvia para a situação. No decorrer da crise, americanos focaram o Brasil para novos negócios. As duas realidades se faziam distintas. Os famosos Times Square e 5a Avenida, repletos de turistas brasileiros, eram a comprovação de um Brasil favoravelmente econômico a uma determinada classe social. Mas outra classe social de brasileiros já havia saído da pobreza absoluta! É previsto pelos analistas econômicos brasileiros, que em cinco anos o turismo interno irá aumentar, sustentando o investimento na área de hotelaria estimulado pelos grandes eventos internacionais, como a Copa do Mundo e Olimpíadas.   Os brasileiros se tornaram aquecedores para o mercado imobiliário nova-iorquino. Nos últimos dois anos, foram fechadas 15 vendas de apartamentos para brasileiros com preço a partir de US$ 5 milhões e acima de US$ 15 milhões na áreas do Upper East Side, Central Park e Lincoln Center, negócios concluídos somente por um corretor. A idade média dos compradores flutua entre os 30 e 40 anos, e estão envolvidos no setor financeiro ou agronegócio, que promoveram o enriquecimento rápido no Brasil, estimulado pela recente torrente de IPOs – abertura do capital das empresas. Com discrição os brasileiros são os constante clientes dos corretores de alto padrão. O Ibope Inteligência aponta o aumento no preço do metro quadrado, que subiu acima de 20%, nas áreas mais cotadas do Rio de Janeiro, entre abril e outubro de 2011. Com o preço em alta dos imóveis brasileiros, Nova York, com toda a sua fama, tornou-se o local ideal para somar padrão social e negócios.  
A mostra dos vinhos brasileiros mais uma vez em  New York no…. em principio de outubro demostra uma forte desejo de competir comoutras marcas internacionais e ate mesmo vinhos produzindos no pais.  Com o patrocínio do Ministério das Relações Exteriores (MRE), atraves do Brazilian Trade Bureau, a foi voltada ao trade e também aberta ao consumidor norte-americano, tais como compradores diretose e restaurantes que puderam ter a o oportunidade de conhecer e degustar vinhos de diversos partes do sul Brasil e do vale de Sao Francisco. Para o Conselheiro Pedro Terra, chefe do Trade Bureau esta foi uma oportunidade  valiosa de aproximar os expostrtadores e produtores de viniuclas brasileiras de potenciais compradores americanos A mostra teve a participação de doze vinícolas, quase o triplo da estreia no ano passado. A comitiva brasileira ocupará quatro mesas – O time do Wines of Brasil, projeto realizado pelo Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) com o objetivo de posicionar o vinho brasileiro no mercado internacional, já está escalado com Aurora, Lidio Carraro, Casa Valduga , Miolo e a trading Suriana, que representará as vinícolas Geisse, Sanjo, Santo Emílio e Dom Cândido. Na edição de 2010, Casa Valduga, Lidio Carraro e Miolo participam pela primeira vez desta feira, que este ano deve receber em torno de 150 expositores e 600 vinhos de todos os lugares do mundo. A ação conta com o planejamento e acompanhamento da representante dos vinhos brasileiros em Nova Iorque, a consultora Nora Favelukes, presidente da QW Wine Experts, radicada há mais de 20 anos nos EUA, e que desde o ano passado trabalha para o Wines of Brasil. “Intensificamos no ano passado a promoção dos produtos brasileiros nos Estados Unidos, que é o segundo país importador de vinhos no mundo”, afirma a gerente de Promoção Comercial do Wines of Brasil, Andreia Gentilini Milan. Segundo ela, dentro da programação da feira de vinhos nova-iorquina haverá um seminário sobre vinhos brasileiros para cerca de 40 convidados. “Este seminário busca ampliar o conhecimento dos produtos brasileiros entre os importadores e, depois, entre os consumidores norte-americanos”, comenta. O evento está marcado para as 15h30, com duração de uma hora, do dia 27 de fevereiro. Rodada de Negócios Para potencializar a participação na New York Wine Expo e atender um pedido das vinícolas, o Wines of Brasil, em conjunto com o MRE, realizará no dia 24 de fevereiro uma Rodada de Negócios na Embaixada do Brasil em Nova Iorque com a presença das vinícolas que estarão presentes na feira, exceto Casa Valduga e Miolo, que já contam com importadores nos EUA.  Conforme Andreia, a intenção da Rodada de Negócios é dar seguimento aos contatos realizados pelas vinícolas no evento “Buscando Importador”, que ocorreu no dia 30 de setembro do ano passado. Na ocasião, cada vinícola realizará reuniões com potenciais importadores durante toda a tarde. As rodadas acontecerão das 14h30 às 18h, com a organização de Nora Favelukes, da QW Wine Experts. “Vamos seguir as conversas iniciadas no ano passado, buscando concluir as negociações com importadores para as vinícolas brasileiras interessadas no mercado norte-americano”, explica.  Presente e futuro A gerente de Promoção Comercial do Wines of Brasil destaca que os Estados Unidos é o país mais representativo para a exportação de vinho brasileiro, já tendo registrado a importação de vinhos de 22 empresas verde-amarelas. O segundo colocado, a Alemanha, adquiriu vinhos de 13 empresas brasileiras. Os norte-americanos compraram cerca de US$ 2,3 milhões em vinhos brasileiros nos últimos cinco anos. Estimativas de especialistas apontam que o mercado americano será o maior mercado consumidor de vinhos no mundo daqui quatro anos. “É um grande mercado, cuja produção interna representa 70% do vinho consumido pelo norte-americano, mas com 30% de vinhos importados, o que é um volume gigantesco. Só com esse volume, eles são hoje o terceiro maior importador de vinhos do mundo”, salienta Andreia. Histórico Na New York Wine Expo do ano passado, a Casa Valduga buscou e conseguiu um distribuidor para seus vinhos em Nova Iorque. A Lidio Carraro encaminhou contatos com diversos importadores. A Miolo, que já possuía distribuição nacional nos Estados Unidos, usou a feira para promover os seus vinhos entre os consumidores norte-americanos. “Foi a primeira oportunidade em que participamos de um evento para consumidores. Pudemos notar a aceitação e a curiosidade dos vinhos brasileiros”, recorda Andreia. Cerca de 7 mil visitantes passaram pela feira durante os seus três dias de realização. “O espaço do Brasil esteve sempre bem movimentado”, conta Andreia.   

Mais lidas

Colunistas

Moses Apsan
Advogado especialista em imigração, atuante na comunidade brasileira nos Estados Unidos por mais de 30 anos.
Edilberto Mendes
Editor in Chief
Joao Vianna
Programador, Analista de sistemas e administrador de banco de dados
`;