Durval voltou para a sala e parou em pé perto da janela. Sabia que não estava louco. E se estava, então sua mulher e a empregada também estavam. Os três tinham visto o cadáver na cozinha. Mas agora não havia mais nada lá.
            — E então? — perguntou o delegado Moreira.
            — Não tem nada na cozinha — disse Durval sem prestar atenção ao que acabara de dizer.
             Durval não podia parar de pensar na imagem. O corpo estava de bruços. Havia uma poça de sangue em volta da cabeça. Estava usando calça jeans e camisa azul clara. Tinha cabelos escuros, quase pretos, os braços estavam desajeitados, para baixo ao longo do corpo, e as pernas esticadas. Ao lado, a gata lambia o sangue. Ele sabia que tinha visto.
             Dolores olhava para o marido com uma expressão de interrogação nos olhos.
            — Durval! Você está me assustando — disse Dolores. — Não pode ter sumido.
             Durval foi até o sofá e sentou-se ao lado da mulher. Ele não sabia o que fazer. Será que os três tinham ficado loucos naquela casa? Será que tinham respirado um gás alucinógeno que os fez ver um cadáver? Será que a gata tinha devorado o morto por inteiro? Moreira tinha sido o último a entrar na cozinha, poderia o delegado ter movido o corpo enquanto ficou lá dentro sozinho? Mas por que faria isso?
            — Eu olhei em tudo. Até no quintal nos fundos. Como pode ter sumido? — disse Durval.
            — Durval, hoje é quarta-feira, dia de revisão de inquérito. Estamos atolados lá na DP. Isso é alguma das suas brincadeiras? — disse o delegado.
            — Mas nós vimos o corpo! Até Joana viu! — disse Dolores quase chorando.
             Moreira não entendia o que diabos estava acontecendo com os dois velhos. Levantou-se e foi até a porta da sala. Abriu e chamou Joana.
             A empregada apontou na porta, olhando assustada para o casal no sofá. Ficou parada na entrada como se estivesse com medo de entrar na casa.
            — O que você viu na cozinha, Joana? — perguntou o delegado.
            — Tinha um homem morto, seu Moreira! Com sangue.
            — Então alguém tirou o corpo de lá ou o morto saiu andando. Não sei o que está acontecendo aqui, mas vou abrir um boletim de ocorrência. Vocês terão que vir até a delegacia.
             Joana olhou para Durval, implorando ajuda. O que era para responder para o delegado? Tinha visto ou não o morto? Nessa altura parecia já não saber mais.
            — Ou, o mais provável aqui — continuou o delgado — A Joana imaginou coisas mais uma vez e você quis me pregar uma peça.
             Durval levantou-se e foi até os dois na entrada da sala.
            — Moreira, me desculpe. Foi isso mesmo que aconteceu.
             Moreira ficou calado por um instante, sem acreditar, então olhou para Joana que abaixou o rosto.
            — Não leve a mal. Foi uma ideia estúpida. A culpa foi minha — disse Durval sorrindo sem jeito.
            — Eu devia levar vocês três presos — disse o delgado.
             Dolores parecia querer dizer alguma coisa, mas engoliu em seco.
             Moreira saiu pela porta da frente, visivelmente irritado.
             O sorriso de Durval sumiu aos poucos enquanto esperou o delegado afastar-se, fechou a porta e caminhou até perto da poltrona onde Moreira tinha se sentado. Olhou para Dolores que o encarou sem entender. Ela ameaçou dizer algo, mas Durval fez um sinal para que ficasse quieta. Sem dizer nada, abaixou-se com dificuldade. Primeiro uma perna, depois a outra. Colocou as duas mãos no chão e flexionou os braços aproximando o rosto do tapete azul.
              Bem na frente da poltrona onde o delegado havia se sentado, havia uma marca vermelha no tapete. Uma pegada de sangue.
Episodio V continua na próxima edição.
JOSÉ GASPAR
Cineasta e escritor
www.historiasdooutromundo.com
jagramos@gmail.com