Os olhos arregalados de Durval não piscavam quando Botelho destravou as duas trancas de metal na lateral do caixão e abriu a tampa com um rangido.

Retorcido como uma corda grossa, o cadáver mais parecia um fantasma de tão branco. As roupas, de tal maneira puídas, pareciam um véu branco cobrindo o corpo, fios finos como teias de aranha estendiam-se do corpo até as laterais de dentro do caixão. Ao que parecia o caixão havia ficado mergulhado nas águas do rio por muito tempo. A pele estava esponjosa e quase transparente, permitindo ver as saliências dos ossos. A barriga era bem visível e parecia uma massa disforme que balançava como gelatina prestes a desgrudar da colher. A cabeça estava tão inclinada em relação ao corpo que parecia solta do pescoço. Os globos oculares estavam projetados para fora, sem pálpebras, e a boca semiaberta parecia prestes a dizer alguma coisa. Quando Botelho soltou com um baque a tampa aberta do caixão, o corpo todo tremeu e o rosto virou de um lado para o outro como se negasse com veemência.

Durval ouviu um “ploft”. Olhou para o lado e viu Dolores caída no chão. Sem pensar duas vezes correu para ajudar a mulher. Por sorte tinha caído em cima do monte de galhos e folhas que Botelho usara para cobrir o caixão. Com cuidado Durval abaixou-se ao lado dela e deu um jeito de sentar-se na pilha de galhos. A bengala do lado.

— Dodô! Meu bem! Acorda.

Durval esfregava as mãos de Dolores com força na tentativa de acordá-la do choque.

— Eu sabia que não devia ter vindo com ela — disse para si mesmo. Então olhou para Botelho: — Por que você não avisou antes o estado do… olha a situação! Olha isso! — Apontou para o cadáver. — Eu não sabia que ele já estava assim, todo se desfazendo. Quando o vi pela primeira vez estava melhorzinho.

— Você já tinha visto o cadáver? E não avisou a polícia? O que você…? Como você…? — Durval fez uma pausa buscando as palavras. Então gritou: — Por que??

— Por sua causa!

— Que!? Do que você esta falando??

— Você é o assassino, Durval. Você o matou, nao foi?

Durval levantou-se apoiado na bengala, sem acreditar no que acabara de ouvir.

— O que!? Você enlouqueceu de vez?

— Não adianta negar — disse Botelho com tranquilidade. — Eu tenho a prova.

— Mas que prova!?

Botelho olhou em volta, como que para certificar-se de que estavam sozinhos. Então vasculhou o bolso interno do casaco e tirou uma faca. Devia medir uns trinta centímetros de comprimento, o cabo de madeira entalhada e a lâmina reluzente parecia bem afiada.

Então ouviu-se uma voz:

— Largue a arma!

Durval e Botelho olharam na direção da mata e viram meia dúzia de policiais apontando pistolas automáticas em sua direção. Entre eles estava Moreira, o delegado.

— Jogue a faca no chão e levante as mãos devagar! — gritou Moreira.

Botelho deixou a faca cair no chão e levantou as mãos. Os braços magros e compridos pareciam dois galhos de árvore.

— Você também, Durval! — disse o delegado. — Levantem as mãos para cima virem-se de costas.

Durval levantou as mãos e virou-se.

— O que houve, hein? — perguntou Dolores voltando do desmaio.

— Parece que estamos sendo presos, Dodô.

Episodio XIX continua na próxima edição.

JOSÉ GASPAR
Cineasta e escritor
www.historiasdooutromundo.com
jagramos@gmail.com