Quando Durval cruzou o portão de entrada da casa um calafrio percorreu sua espinha. Simplesmente não sabia o que faria se Dolores ainda não tivesse voltado para casa. Ele não podia viver sem a mulher que há quase cinquenta anos era sua companheira inseparável. A única que estivera firme a seu lado por uma vida inteira, nos momentos bons e nos ruins. Durval não conseguia se imaginar sem Dolores. Ela era parte integrante de sua vida.

Olhou para trás. A camionete de Botelho estava estacionada na rua. O professor dissera que ia esperar Durval verificar se Dolores havia voltado. E se não tivesse voltado? Que fariam? Polícia? Hospital?

A luz da sala estava acesa, mas isso não significava nada. Joana a empregada sempre a deixava acesa quando saia para o caso de um deles precisar descer as escadas até a cozinha e não tropeçar no escuro.

Durval atravessou o jardim da frente da casa. Uma pérgola repleta de trepadeiras floridas formava um caminho que ia do portão da rua até a entrada da varanda. Lembrou-se quando Dolores e ele escolheram as plantas que comporiam a passagem. A dúvida era entre o Jasmim-estrela e a Madressilva. Duas flores branquinhas, que ficariam lindas na entrada da casa e combinariam com as bromélias, babosas e roseiras da varanda. A palavra final foi de Dolores: Jasmim-estrelas. O formato e o doce perfume sem igual havia sido decisivo. Segundo Dolores era o que faria você se sentir mais perto do céu. As folhas verdes escuras e brilhantes, contrastavam com o branco das flores. Naquela hora, devia ser mais de meia noite, as flores pareciam acender, iluminando o caminho até a casa. Durval segurou a respiração conforme aproximava-se da varanda da casa. Deu um último passo e parou.

E então ele ouviu. Sim, ele a ouviu! Era ela!

A porta da sala se abriu e ele viu Dolores. Um sorriso lindo se abriu no rosto dela e ela veio em sua direção.

Os olhos de Durval se encheram de lágrimas quando ela o abraçou. Ele riu e chorou ao mesmo tempo. Apertou-a nos braços com os olhos fechados e prometeu para si mesmo que não a perderia de novo. O ar reprimido nos pulmões saiu lentamente e levou para longe a angústia que guardava no peito. Ela estava bem. Ela estava bem.

— Dodô, meu amor — ele disse e desfez o abraço para olhar em seus olhos.

— Durval, meu bem — Dolores sussurrou.

— Que houve, Dodô? Onde você estava?

— Descobri uma coisa sobre o… — ela parou de falar e olhou para o portão da rua.

A camionete de Botelho continuava parada na frente da casa, metida nas sombras. Durval não conseguiu distinguir direito, mas Botelho devia estar olhando para eles. Acenou para o amigo querendo dizer que tudo estava bem e que ele podia ir embora.

Ouviu o som grave do motor sendo ligado e a camionete saiu.

Voltou-se para Dolores e ela estava assustada. Olhos arregalados.

— Que foi, Dodô?

— Você estava com o Botelho?

— Sim.

— Ele é o assassino, Durval!

Episodio XXVI continuana próxima edição.

JOSÉ GASPAR
Cineasta e escritor
www.historiasdooutromundo.com
jagramos@gmail.com