A estudante Izabelle de Mello Gindri, bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), é criadora de patente de tecnologia desenvolvida durante o doutorado.

Izabelle conquistou o diploma na University of Texas at Dallas (UTD) por meio do Ciência sem Fronteiras e publicou cinco artigos como autora principal em revistas de relevância.

O trabalho que desenvolveu no exterior visou o desenvolvimento de compostos orgânicos, denominados líquidos iônicos, com multifuncionalidades para proteger a superfície de implantes dentários e melhorar o desempenho desses dispositivos.

“Atualmente, estima-se que de 5% a 10% dos implantes dentários falham e entre os principais agentes causadores destacam-se o biofilme bacteriano, corrosão da superfície metálica e lesão durante a inserção, devido ao atrito da superfície metálica e o tecido ósseo. Esses agentes têm sido associados a processos inflamatórios que podem acarretar a perda óssea e consequentemente a falha dos implantes”, explica a pesquisadora.

De acordo com Izabelle, os compostos propostos no projeto foram racionalizados para possuir multi-funcionalidades. “Assim, pode-se inibir o crescimento bacteriano ao redor do implante, permitir a migração celular e óssea e também proteger a superfície contra corrosão, como também o atrito durante a inserção, devido a sua propriedade lubrificante”, detalha.

Experiências

A experiência no exterior foi fundamental para o desenvolvimento do trabalho, argumenta a bolsista. “A minha orientadora nos Estados Unidos, professora Danieli Rodrigues, me proporcionou o treinamento em várias técnicas e equipamentos de alta tecnologia. Além disso, tive o incentivo dela para atender a conferências, onde tive oportunidade de entrar em contato com os melhores profissionais da área de biomateriais e também de conhecer a pesquisa de outros grupos”, lembra a pesquisadora.

Izabelle realizou trabalhos em parceria com outros c-legas, com profissionais de indústrias e com o órgão regulador de qualidade de biomateriais nos Estados Unidos, o FDA (do inglês Food and Drug Administration).

Devido à inovação da tecnologia desenvolvida no projeto de doutorado, os compostos propostos na tese e a aplicação da tecnologia de líquidos iônicos como tratamento de superfície de biomateriais deram origem a uma aplicação de patente.

“Este processo foi muito interessante, pois aprendi sobre as questões burocráticas que viabilizam a proteção da propriedade intelectual. A grande atenção à proteção da propriedade intelectual reflete uma política interessante do meio acadêmico nos Estados Unidos, onde a pesquisa é, em grande parte, realizada, de modo a suprir as necessidades da indústria, o que leva à produção de conhecimento, que frequentemente é convertido em tecnologia”, explica.

Em 2015, Izabelle recebeu o prêmio Jonsson Family Graduate Fellowship in Bioengineering por destacado desempenho acadêmico na UTD.

Retorno

A bolsista ressalta que realizar estudos em outro país tem dois aspectos fundamentais: o profissional e o pessoal. Com a conclusão do doutorado, Izabelle acredita que o projeto desenvolvido tem potencial de aplicação na indústria brasileira.

“Hoje o Brasil possui um amplo número de indústrias de próteses dentárias e ortopédicas. Embora esses materiais tenham bom desempenho in vivo, existem aspectos que podem ser melhorados e a pesquisa que desenvolvi pode contribuir em um futuro próximo”, planeja.

Fonte: Ministério da Educação (MEC)