Ao mencionar o assunto sobre exploração especial, a China confirma os planos do país de enviar um rover para o lado não explorado da Lua, ou seja, o lado escuro em 2018 e colocar um rover em Marte em 2020.

O documento oficial, foi divulgado pelo Departamento de Informação do Conselho de Estado, e diz que a missão chama-se Chang’e 4.

Em 2012, as sondas do Graal da NASA caíram no lado oposto da lua – o chamado “lado escuro” que nunca ficou visível da Terra. No entanto, nenhuma espaçonave fez uma aterrissagem nessa metade normalmente escondida da lua. A comunicação com uma nave espacial desse tipo exigiria o uso de um satélite, como o que a China planeja enviar para o ponto de equilíbrio gravitacional.

Chang’e é o nome da deusa lunática chinesa da lua, e o nome foi usado para as três missões lunares anteriores de China também. A missão mais recente da série, Chang’e 3, enviou um lander e o rover Yutu para um lado da lua em 2013.

Outra nave espacial robótica, a Chang’e 5, está sendo preparada para fazer um pouso lunar, e coletar amostras para enviá-las de volta à Terra. A Chang’e 5 será lançada até o final de 2017.

O objetivo do programa Chang’e é estudar a geologia da lua, procurar recursos que a lua poderia oferecer para uma exploração mais profunda – e não incidentalmente, para demonstrar a proeza tecnológica da China.

Nos próximos cinco anos, a China planeja avançar para desenvolver novas linhas de veículos de lançamento.

“O documento apresenta nossa visão da China como um poder espacial, investigando, inovando, descobrindo e treinando pessoal especializado”, disse Wu Yanhua, vice-chefe da Administração Nacional do Espaço da China, durante uma coletiva de imprensa.

Além dos foguetes pesados, a China procurará construir foguetes não poluentes de média elevação e um sistema de transporte reutilizável para atingir órbita terrestre.

Funcionários do espaço chinês disseram anteriormente que uma estação espacial completa conhecida como Tiangong 3 seria colocada em órbita em 2020, e que o programa espacial de Pequim poderia colocar astronautas na Lua em de 2030. No entanto, em um relatório da UPI, Wu disse que o programa vai exigir investimento privado.

“Depois de seis décadas de desenvolvimento, o investimento governamental não é suficiente para permitir que o programa aeroespacial da China avance no progresso tecnológico e beneficie a economia e a sociedade”, disse Wu.

Fonte: www.geekwire.com