A doença, é responsável por milhares de internações no Brasil e no mundo, ocorre pela má-formação de coágulos nas veias da perna, conhecida como trombose venosa profunda, e no coração, chamada de fibrilação atrial.

A trombose pode ter como consequência inchaço, feridas e infecções crônicas no membro afetado. Pode ainda causar a embolia pulmonar, que ocorre quando o coágulo (ou trombo) se desprende das paredes das veias e é levado pela corrente sanguínea até se alojar nos vasos do pulmão.

Causas

O uso de anticoncepcionais ou tratamento hormonal está entre as principais causas do problema. Por esse motivo, é preciso verificar se a mulher tem alguma tendência a desenvolver trombose antes de fazer uso do remédio.

Tabagismo, presença de varizes, idade avançada, pacientes com insuficiência cardíaca, tumores malignos, obesidade, distúrbios de hipercoagulabilidade heriditários ou adquiridos e história prévia de trombose venosa estão entre os fatores de risco.

Grávidas e pessoas com imobilização prolongada (paralisias, infarto agudo do miocárdio, viagens aéreas longas) também são mais suscetíveis à trombose.

Sintomas

A trombose venosa profunda pode ser absolutamente assintomática. Quando presentes, os principais sintomas são: dor, calor, vermelhidão e rigidez da musculatura na região em que se formou o trombo.

Praticar exercícios físicos regularmente, evitar o consumo de álcool e tabagismo e manter uma dieta equilibrada são as principais maneiras de prevenir a trombose.

Cuidados importantes na viagem aérea

– Realize pequenas caminhadas a cada hora

– Movimente os pés e as pernas enquanto estiver sentado

– Utilize roupas confortáveis e largas durante o trajeto

– Mantenha-se hidratado com muita água

– Evite o consumo de bebidas alcoólicas em geral

– Evite o uso de calmantes e comprimidos para dormir

– Se tiver qualquer dificuldade de locomoção, priorize as poltronas do corredor

– Viajantes, especialmente portadores de insuficiência venosa ou varizes, devem utilizar meias de compressão elástica (sob prescrição médica)

– Pessoas com fatores de risco para trombose (obesidade, uso de anticoncepcionais, sedentarismo, idade maior de 40 anos, doença crônica tabagismo, cirurgia recente, trauma, gestação, história pessoal ou familiar de trombose) devem marcar consulta com o especialista, para prevenção com uso de meia e medicação anticoagulante

– Para as pessoas intolerantes ao uso da meia apropriada, um novo dispositivo eletrônico pode substituir o acessório durante as viagens

Fonte: Portal Brasil e gazetadopovo.com.br