Como afirma o próprio J.J. Benítez, “adiantar o argumento e a natureza de Cavalo de Tróia 1, é quebrar o desconcertante mistério que suas páginas encerram”. Podemos dizer, isso sim, que para a elaboração desta obra o autor se baseou em uma documentação real, guardada há anos nos Estados Unidos. Uma documentação que expõe uma imensidão de dados novos sobre a personalidade e a obra de Jesus de Nazaré. Podemos afirmar que – tal como suspeita boa parte da humanidade – as grandes potências escondem muitos dos seus projetos espaciais e militares. Podemos revelar, por exemplo, que em 1973 a Força Aérea norte-americana, depois de vários anos de preparação e uma infinidade de peripécias, executou em pleno coração de Israel um de seus projetos “supersecretos”, que foi batizado precisamente como “Operação Cavalo de Tróia”. Mas não podemos adiantar ao leitor como J.J. Benítez conseguiu essa fascinante documentação “confidencial”, nem o assombroso desenrolar da referida operação e seu final desconcertante. Seria quebrar o encanto de “Cavalo de Tróia 1”, primeiro livro testemunho do jornalista e escritor navarro. Nas palavras do autor: “Só o futuro, como aconteceu com Julio Verne, poderá mostrar se este relato foi ou não verídico”.

Quando li Cavalo de Tróia de J. J. Benítez pela primeira vez, tinha algo em torno de uns quinze ou dezesseis anos e já, naquela época, fiquei impressionado com a história dos últimos dias de Jesus de Nazaré. Hoje, muitos anos depois, uma releitura apenas comprovou o que eu já tinha achado no passado: Uma obra brilhante e desafiadora. J.J. Benítez, quer fazer crer que toda a história contida em Cavalo de Tróia é real e que por ele foi escrita, com base nos relatos do Major, de uma forma mais jornalística, querendo dizer que a adoração religiosa em volta do Nazareno ficou de fora.

Independentemente se alguns até acreditam que é verídica a viagem no tempo, eu vejo a história como um livro de ficção científica e nada mais. Porém, a escrita de Benítez é tão firme e resoluta que em vários momentos você se pega fazendo uma pergunta a si mesmo: Será??

Acredito que Cavalo de Tróia deveria ser “quase” obrigatório à todos que gostam de uma excelente e imperdível leitura.

Jeffa Koontz
Crítico Literário
www.sagaliteraria.com.br