Joana Knobbe tentou fugir da música, mas não conseguiu. Desde os 8 anos de idade participando de corais, aulas de órgão elétrico e da banda da escola, saiu do nordeste do país para cursar Design de Produtos em Santa Catarina. Porém, ao concluir o curso, já havia voltado aos palcos: se apresentava como intérprete de jazz e mpb, além de ministrar aulas de canto e preparação vocal.

A música autoral veio em 2012, junto da maternidade. “Com o nascimento de minha filha fiquei “forçada” a ficar mais em casa e passei por um momento de muita dor, mas extremamente criativo”, conta Joana. Só em 2015, de volta a Natal/RN, a artista levou pela primeira vez a música Lîla, que também é o nome da sua filha, aos palcos.

Em dezembro de 2017, Joana realizou a #tourMGRS, em que tocou em Belo Horionte (MG) e Porto Alegre (RS), ocasião em que conheceu Loop Reclame. “Foi muito divertido e acolhedor! Fico muito feliz em fazer parte desse time que já conta com excelentes artistas e espero que esse seja só o primeiro passo de um caminho fortuito que ainda vamos trilhar juntos”, conta Joana sobre a gravação.

O lançamento do Loop Sessions Joana Knobbe é duplo: são duas vibes diferentes, duas histórias diferentes, de uma mesma artista e está disponível desde o dia 23 de fevereiro no youtube e plataformas digitais.

“O processo de composição de Lîla foi como pecinhas de um quebra-cabeça que vão se encaixando. A introdução se refere ao Canto da Lagoa, em Florianópolis, onde eu morava. Lá no Canto da Lagoa tem “um pedaço de mato que por aí já não há” e as “sementes de Garapuvu”, quando caem, fazem um rodopio bonito no ar. Além disso os Aracuãs, insistem em acordar a gente com um canto que mais parecem berros, assim que o sol nasce. (risos)

Peixe Lunar é uma das composições mais recentes. A letra e a melodia também me vieram de súbito, inspirada em um tipo de personalidade pisciana, que são pessoas sempre muito “viajonas”, leves e misteriosas. Daí veio a ideia de peixe lunar e uma pegada mais psicodélica.”