Em algum momento de sua trajetória, toda empresa passará por uma crise, ou mesmo mais de uma. No entanto, é a capacidade de superar crises e obstáculos que define as companhias que perduram no mercado das que definham rapidamente. Com isso, é

importante que todo gestor saiba diferenciar uma crise de um problema isolado e ter conhecimento básico para lidar com os transtornos.

É importante a empresa manter métricas e tabelas comparativas, uma vez que podem passar por oscilações relacionadas às questões de sazonalidade, impactos macro-econômicos e eventuais ações de concorrentes, que impactam tanto no faturamento quanto no resultado. Esses parâmetros ajudam a saber se o negócio está indo bem ou se há problemas.

Alguns fatores indicam se a companhia está em crise ou não, mas devem ser aplicados caso a caso, com muita atenção. Afinal, cada empresa tem suas particularidades.

A fim de ajudar empreendedores e gestores a identificarem se o negócio está em crise, o especialista Flávio Ítavo criou duas listas com indicadores de médio e curto prazo. Sob seu ponto de vista, se a companhia se encontra classificada em qualquer uma das linhas abaixo, ela está em crise. Empresas pequenas, ou no início ou com um ciclo de vida muito breve, devem trocar “ano” por “semestre” ou “trimestre” em cada um dos indicadores a seguir.

A empresa está em crise se em médio prazo apresenta:

• ROI (Return On Investment) abaixo da taxa base de juros da economia onde a empresa se encontra por dois anos seguidos;

• Redução no seu faturamento líquido por três anos consecutivos;

• Redução no ROI e no faturamento líquido por dois anos consecutivos;

• Crescimento do lucro bruto abaixo do crescimento do PIB por três anos consecutivos;

• ROI ou percentual do lucro líquido abaixo dos obtidos por concorrentes de sua empresa de maneira “consistente”. A empresa está em crise se em curto prazo apresenta:

• Dificuldade em alavancar as operações diárias e não há possibilidade de alteração da situação via alavancagem por bancos, empréstimos ou equivalentes;

• Se o valor dos custos da alavancagem em médio prazo é maior que a perspectiva de resultado para o período;

• Se as perspectivas do negócio não incentivam a entrada de novos recursos, seja por bancos como por alianças ou novos investidores.

Usar parâmetros é importante por indicarem se há crise, em qual fase ela está e qual o tempo certo de buscar ajuda de especialistas. Saber o momento correto para a tomada de decisões certeiras faz toda a diferença e é um dos fatores fundamentais de sucesso no resgate de uma empresa.

Fonte: Flávio Ítavo e Clozel Comunicação