No litoral sul da Bahia, a 70 km da costa, o arquipélago dos Abrolhos foi o primeiro Parque Nacional Marinho a ser constituídono Brasil.

 

O Parque tem o objetivo de conservar amostras de ecossistema marinho excepcionalmente rico em recifes, algas e ictiofauna e proteger espécies ameaçadas de extinção, principalmente as tartarugas marinhas, Baleias-jubarte, coral cérebro, conciliando a proteção integral da flora, da fauna e das belezas naturais com a utilização para objetivos educacionais, recreativos e científicos.

A unidade era anteriormente uma área de pesca. Nela existe um antigo farol da marinha, mas ocorria grande número de naufrágios devido as dificuldade de navegação entre os corais existentes no arquipélago. Antigas referências reportadas de historiadores, relatam que navegantes portugueses recebiam a advertência “Abram os Olhos” pelo perigo de se navegar por lá. Daí vem o nome Abrolhos, arquipélago que sempre foi ponto de referência para os navegantes.

Está localizando no litoral sul da Bahia. O acesso pode ser feito de lancha, de traineira ou de escuna, partindo-se de Caravelas. Caravelas fica a uma distância de 950 Km da capital do estado.

O parque apresenta excelentes área para mergulho autônomo e livre, pois as formações de corais abrigam grande diversidade de fauna marinha. Nas ilhas, a atração fica pôr conta das aves nidificando nas formações rochosas. Diversas embarcações oferecem passeio de um dia ou mais à unidade.

De clima tropical, com temperaturas estáveis e alto índice de pluviosidade, está assentado sobre cinco formações rochosas: as ilhas de Santa Bárbara, Siriba, Redonda, Sueste e Guarita, formadas há 50 milhões de anos. Há grande diversidade da fauna marinha, com inúmeras espécies de peixes, moluscos, corais, esponjas etc. Para a fauna terrestre destaca-se as aves que se reproduzem nas ilhas: atobás, trinta-reis, fragata, grazina e o benedito, principalmente. A Baleia-jubarte e as tartarugas-marinhas procuram o parque para se reproduzirem.

O arquipélago também é rico em aves, que o utilizam como ponto de apoio em suas migrações ou mesmo para procriação, já que encontram aí grande número de peixes para sua alimentação. Pelos costões abruptos, grutas ou descampados, as espécies mais freqüentes são o benedito (Anous minutus), atobá-mascarado-de-piloto (Sula dactylatra), atobá-marrom (Sula leocogaster), grazina (Phaethon aethereus), fragata (Fregata magnificens) e trinta-réis-das-rocas (Sterna fuscata).

Fontes: www.brasilturismo.com e www.portalsaofrancisco.com.br/meio-ambiente/parque-nacional-marinho-de-abrolhos