Como acontece todos os anos, os organizadores do BR Day prepararam uma festa com atrações musicais diversas para satisfazer o gosto de um público de mais de um milhão de pessoas de diferentes orgens.

Nesta edição, o The Brasilians traz entrevistas exclusivas com as atrações musicais e a apresentadora do BR Day NY, que falam sobre as expectativas e os preparativos para este grande evento.

Matheus & Kauan

Os irmãos Matheus e Kauan, ambos nascidos em Goiás, estão na estrada profissionalmente desde 2010 e fazem parte de uma nova geração da música sertaneja. Atingiram o sucesso em 2015, com o hit “Que Sorte a Nossa”, quando alcançaram mais de 180 milhões de acessos na internet e ganharam espaço entre uma das duplas das mais tocadas nas rádios de todo Brasil.

TB: Como a dupla reagiu ao convite para se apresentar no BR Day NY
Matheus: Ficamos extremamente felzes e honrados com a oportunidade de levar um pouco da música brasileira para quem está há tanto tempo fora do Brasil!

TB: Esta será a primeira apresentação da dupla nos EUA. Que tipo de público acham que irão encontrar?
Matheus: Acho que vamos encontrar um pouco de tudo no BR Day NY. Essa é uma festa super tradicional, que realmente movimenta todos os brasileiros que vivem no país, muitos vêm até de outros estados para participar. É uma forma da gente se conectar com pessoas que trabalham tanto para ter uma vida um pouco melhor, então é uma maneira de levar alegria pra eles.

TB: E que tipo de show o público do BR Day NY pode esperar?
Matheus: Faremos um show bem alto astral, com muita música boa e animação de sobra. O público vai ouvir vários de nossos sucessos como: “Nosso Santo Bateu”, “Decide Aí”, “Te Assumi pro Brasil” e claro, o nosso último lançamento, “Ao Vivo e a Cores”.

TB: A música sertaneja tem muita força no Brasil. O que é preciso para se destacar entre tantos talentos?
Matheus: Acho que é preciso ser autêntico e passar muita verdade. Acho que nós nos destacamos até mesmo pela vertente que decidimos assumir. Fugimos um pouco do sertanejo clássico, da sofrência, e vamos mais para o lado da paixão. Grande parte das nossas letras são romântica e tenta passar uma mensagem de amor e positividade.

Eduarda Brasil

Nascida na Paraiba, Eduarda Brasil venceu a 3ª temporada do reality show The Voice Kids Brasil, da TV Globo. A menina de 15 anos encantou os jurados desde a sua primeira apresentação, com o charme do forró e a potência de sua voz – tão elogiada pelos técnicos.

TB: Como é para você poder se apresentar em um evento tão importante para os brasileiros que vivem no exterior?
EB: Será maravilhoso poder me apresentar em um evento como o BR Day NY, e que tem um significado tão grande para os brasileiros que vivem no exterior. Ter recebido esse convite foi uma das melhores coisas que já me aconteceu e eu estou simplesmente grata de estar indo participar do evento.

TB: O que os milhões de brasileiros que acompanham o BR Day NY podem esperar da sua participação no show?
EB: Eles com certeza podem esperar uma menina feliz e realizada de poder fazer parte do evento e com a responsabilidade de levar um pouquinho do Brasil até eles.

Ana Furtado

Ana Furtado, nascida no Rio de Janeiro, começou a carreira como modelo em

1993. Como atriz, ela atuou em diversas novelas e programas. Destacando-se pelo carisma, Ana tornou-se apresentadora, passou por vários programas da emissora e atualmente apresenta o “É de Casa”.

TB: Você já participou de alguma edição do BR Day NY?
AF: Será a minha 1ª vez e estou muito feliz!

TB: O que você sabe sobre o evento e o que espera encontrar quando subir ao palco na 6ª Avenida?
AF: Sei que é a maior festa dos brasileiros fora do país e que ela é muito especial para todos que assistem. Também sei que para muitos da plateia a saudade que sentem do Brasil é enorme e poder proporcionar que eles se

sintam mais perto de casa será sensacional.

TB: Como você está se preparando para comandar o evento?
AF: Estou muito animada e ouvindo todas as músicas dos artistas que se apresentarão neste dia especial para já entrar no clima desta festa.

TB: Que recado você deixa para os brasileiros que estão pensando em vir a Nova York no dia 2 de setembro?
AF: Que venham curtir com a gente. Meu recado é para que todos aproveitem e paticipem dessa grande festa que só acontece uma vez por ano! Será muito animada e imperdível. Será um prazer receber todos lá!

Os Paralamas do Sucesso

Quem viveu nas décadas de 80 e 90 sem conhecer Os Paralamas é porque nunca ligou o rádio ou a TV. O sucesso, que está inclusive no nome, acompanha o grupo desde a sua formação. Os Paralamas começaram a tocar juntos no começo dos anos 80 em Brasília. Logo o baterista Vital saiu da banda, virou tema de uma música e foi substituído por João Barone, no trio básico ao lado de Herbert Vianna (guitarra e voz) e Bi Ribeiro (baixo). Essa formação mantém-se estável há mais de 30 anos.

No Rio de Janeiro, gravaram uma fita demo e mandaram para a Rádio Fluminense, que, em busca de novos grupos de rock, divulgou as músicas da fita, transformando “Vital e sua Moto” no primeiro sucesso do grupo. O primeiro disco, “Cinema Mudo”, saiu em 1983 e teve razoável êxito. Mas A consagração veio com o segundo, “O Passo do Lui”, de 1984, que incluía alguns dos maiores sucessos da banda: “Óculos”, “Meu Erro”, “Ska” e “Romance Ideal”, todas de autoria de Herbert Vianna. No ano seguinte, o terceiro LP, “Selvagem?” teve mais de 700 mil cópias vendidas e emplacou duas das músicas mais tocadas no ano: “Alagados” e “Melô do Marinheiro”.

A banda manteve uma produção constante de discos e sucessos. São 15 álbuns e 3 DVDs, além de coletâneas e participações.

Confira a seguir entrevista com João Barone, baterista da banda.

TB: Esta será a primeira vez que Os Paralamas do Sucesso se apresentam no BR Day NY. O que vocês já ouviram falar sobre o evento e quais são as suas expectativas para o show?
JB: Certamente, esta é a maior celebração da comunidade brasileira nos Estados Unidos. É uma festa gigantesca e será um privilégio participar dela nesse ano. Estamos super animados!

TB: Vocês podem adiantar um pouquinho o que o grupo está preparando para o público da 6ª Avenida?
JB: Será um show com nossos maiores sucessos. É a receita certa para encarar uma plateia gigantesca como a do BR Day NY.

TB: Assim como o BR Day NY, Os Paralamas têm mais de três décadas de estrada. A que vocês atribuem tantos anos de sucesso e reconhecimento do público?
JB: Acreditamos que o conteúdo das nossas letras somado com a nossa música atinge muita gente, mas existe uma certa magia nesse processo, algo além das explicações mais lógicas. As pessoas podem gostar ou não de alguma música ou artista, isso é um grande mistério.

TB: Hoje quando entrevistamos bandas recentes, elas citam Os Paralamas como referência. Como é ser referência de artistas mais jovens? Vocês pensam nisso na hora de produzir um álbum novo?
JB: Ficamos muito lisonjeados com referências de tanta gente talentosa, é uma injeção de autoestima. Mas isso não tem a menor importância no nosso processo interno, são coisas distintas.

Baile do Dennis

O produtor Dennis é hoje um dos nomes mais populares da cena eletrônica brasileira e conta com grandes sucessos em seu repertório, frutos de parcerias do artista com grandes nomes da música brasileira, como Marília Mendonça, Maiara & Maraisa, Wesley Safadão, Claudia Leitte, Lucas Lucco, Monobloco e muitos outros.

Suas apresentações no “Baile do Dennis” e nos maiores eventos e festas do Brasil atraem uma enorme legião de fãs. O projeto começou em 2013, quando ocorreram dois Bailes do Dennis no Monte Líbano, no Rio de Janeiro. Em 2017, com o enorme sucesso do evento, foram 33 Bailes do Dennis em diferentes estados do Brasil, incluindo Mato Grosso, Ceará, Pará, Pernambuco e Goiás, por exemplo. Completando cinco anos em 2018, o Baile do Dennis virou uma referência no mercado de shows em todo o país.

No BR Day NY, Dennis estará ao lado dos convidados Tony Garrido e MC Koringa. Confira a seguir uma entrevista exclusiva com o produtor.

TB: É a primeira vez que o BR Day NY vai ter o ritmo do funk em uma das atrações principais. O que você está programando para o show?
Dennis: Funk da melhor qualidade. É muito importante mostrarmos como o ritmo que nasceu na América do Norte está agora fazendo o caminho inverso, depois de ter evoluído tanto no Brasil. O funk carioca deu uma nova cara ao ritmo, o de São Paulo também tem sua parcela nessa identidade que o funk conquistou. Levar isso de volta para a terra onde o funk surgiu é emocionante e histórico.

TB: Como surgiu o Baile do Dennis? O que há de diferente em comparação a outros bailes para fazer tanto sucesso? E como será o formato do show em Nova York?
Dennis: Tanto o Baile do Dennis, como o show que farei em Nova York, tem a mesma essência dos muitos bailes que toquei na vida, a de uma festa democrática onde o público celebra a vida e esquece dos problemas. Costumo dizer que faço hoje a mesma coisa que fazia há anos. Há uma ligação muito forte com a plateia, uma interatividade com a galera que não fica parada e que responde, chega junto. Na apresentação do BR Day NY tocarei funks históricos, hits do momento e ainda pinceladas de ritmos distintos como sertanejo, pop, rock, samba… É como o nosso país, uma mistura que abraça e fala com todos.

TB: O funk brasileiro, antes tipicamente carioca, conquistou espaço em todo o país. A que você atribui o sucesso atual do funk?
Dennis: Acho que estamos abrindo espaço no mundo e o sucesso está na batida, nas letras bem-humoradas e com temas que fazem parte da vida das pessoas. É sincero, é festivo, é quente e muito sensual. Não dá para explicar em palavras. Quem já experimentou sabe o que é, e quem nunca participou, não sabe o que está perdendo. O funk é do mundo, assim como a Anitta, que nasceu nesse universo e soube se misturar com a linguagem do pop universal. O funk é verdadeiro, expressa o comportamento da sociedade e o que tem personalidade própria chega longe, por isso estaremos no BR Day NY.

TB: O que você espera encontrar na 6ª Avenida e que mensagem você deixa para o público que vai vir ao BR Day NY este ano?
Dennis: Espero encontrar alegria. Espero que a galera chegue junto, se jogue, pule, dance, levante o braço e desça até o chão.

KARINE PORCEL
Jornalista
karinethebrasilians@gmail.com