O Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) subiu pelo segundo mês consecutivo, após uma série de quatro quedas. Em setembro, o indicador apresentou crescimento na comparação mensal, passando de 86,5 pontos do mês de agosto para os atuais 87,5 pontos.

O ICF é apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Feco-mercioSP) e varia de zero a 200 pontos.

Dos sete itens analisados, seis apontaram aumento em relação a agosto.

Embora as famílias paulistanas tenham melhorado a sua percepção com o futuro, no curto prazo, porém, os gastos ainda estão bem contidos, avalia a Federação. O item “Nível de Consumo Atual” permaneceu tecnicamente estável em relação a agosto.

Ao todo, porém, dizem que ainda é um mau momento para aquisição de bens duráveis, como geladeira, fogão, TV, etc.

No campo negativo está o item “Acesso ao Crédito”. De qualquer forma, há um percentual importante de famílias paulistanas que encontram dificuldades na obtenção de financiamento para compras a prazo.

De acordo com a FecomercioSP, o resultado do ICF de setembro ainda indica um processo de recuperação da satisfação após a greve dos caminhoneiros ocorrida em maio. A maioria das famílias permanece insatisfeita com as condições econômicas do país. A inflação está baixa, mas em processo de taxas crescentes, avalia a Entidade.

Com o aumento do endividamento e da inadimplência os bancos voltaram a ficar mais seletos com o crédito, dificultando a capacidade de consumo das famílias. A FecomercioSP frisa, novamente, que é importante que haja a volta dos investimentos para, consequentemente, ter a geração de emprego, que elevará a confiança do consumidor para que ele se sinta mais seguro em gastar mais. Desta forma, com as incertezas políticas e econômicas atuais, o ICF tende a permanecer oscilando próximo aos 90 pontos, o que esfria, de alguma forma, as expectativas dos empresários para o restante do ano.

Fonte: Imprensa FecomercioSP