Nesta edição, vou apenas relatar minha primeira imersão em um dos eventos mais bacanas que acontecem no Brasil a cada dois anos: A Bienal Internacional do Livro de São Paulo, onde me aventurei no meio de milhares de livros expostos no pavilhão do Anhembi.

Cheguei depois das 5 da tarde. Porém, foi até bom, pois já não estava tão cheio como nos horários anteriores.

A entrada foi bastante tranquila e depois do meu credenciamento, pude ver a magnitude do evento com diversos estandes montados em todos os cantos de um pavilhão gigantesco, bem organizado e com bastante sinalização entre as “ruas”, inclusive foi disponibilizado um guia de todos os estandes montados na Bienal.

Além de conhecer parceiros nessa empreitada literária, também tive que passar por vários estandes onde centenas de livros expostos com preços tentadores. Portanto, se você vai na Bienal para “fazer a festa”, vá prevenido, pois as ofertas são muitas e irresistíveis.

O primeiro estande em que me apresentei como parceiro da Saga Literária foi o do Grupo Autêntica. Depois, mais estandes com ofertas e tentações arrasadoras que testam os limites de qualquer mortal. Livros e mais livros de qualidade em saldões muito bons. Você poderia encontrar, a coleção completa de GOT + camiseta, ou boxes de Star Wars com três livros cada, (o box fechado) em ofertas alucinantes. Outro exemplo bacana de preços foi achar livros da primeira era de Mistborn de Brandon Sanderson, biografias como a de Paul McCartney (A Intimidade de Paul McCartney) ou a de Bob Dylan (A Balada de Bob Dylan) por valores absurdamente baixos. Mas, acredito que a maior pechincha que eu cheguei a ver foi a do livro As duas torres do Tolkien, na edição de 2002, que pude encontrar por uma bagatela.

O estande da Harper Collins foi o segundo da lista de parceiros em que me apresentei, onde tirei várias fotos no estante que estava muito bonito e também com várias ofertas tentadoras de seu catálogo, alem de alguns lançamentos. A nova casa de Tolkien com certeza vai dar muito orgulho aos fãs da Terra-Média pelo Brasil, tamanho cuidado demonstrado por eles para com o público da Bienal.

Como ninguém é de ferro, a parada para comer foi necessária mas frustrante ao mesmo tempo. Bacana, pois tinha uma grande variedade de opções para matar a fome, tanto na praça de alimentação como em outros locais espalhados pelas ruas da Bienal. A frustração fica por conta dos preços, sempre acima da média de qualquer lugar fora de um evento. Porém, já era de se esperar. Estejam avisados, pois não tem nada barato para comer e beber por lá. Previnam-se.

Mais tarde foi a vez de chegar no estande da Martin Claret, que estava muito bonito e cheio de livros maravilhosos. O bom e velho bordão da editora, “Os Clássicos que você mais gosta”, veio muito bem a calhar, pois todos estavam presentes na Bienal. A editora também guardou algumas “surpresas” anunciadas e trouxe alguns lançamentos direto para a Bienal desse ano como quatro edições do detetive mais famoso do mundo: Sherlock Holmes e o Vale do Terror; O Cão dos Basquerville; Um Estudo em Vermelho e O Signo dos Quatro. Também lançou A Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne e três livros de Jane Austen sendo Emma, Persuasão e A Abadia de Northanger. Posso dizer que os leitores ficaram muito satisfeitos com essas novas edições que estão todas de tirar o fôlego de qualquer um, ou seja, belíssimas.

A Editora 34 também marcou presença na Bienal e trouxe seu catálogo com alguns descontos no preço de capa.

Perto das 10 da noite, encontrei o Grupo Pensamento, pois depois de tantas conversas digitais, finalmente, consegui conhecer as responsáveis por essa ótima parceria. A editora estava com vários livros de seu catálogo e alguns lançamentos também e tudo com preços bem convidativos. Uma coisa legal no estante deles é que nas laterais existe um espaço para fotos do livro O Assassino do Zodíaco de um lado e Diário de Uma Garota Alquimista do outro.

Antes de ir para casa, passar no estande da editora Aleph e posso dizer que a nave mãe estava deslumbrante. Viajei pelo espaço entre o catálogo da editora que estava com desconto em todos os livros em suas prateleiras. Foi bem bacana ver alguns boxes lançados pela editora ali à disposição de todo o público. Lá encontrei os boxes da Trilogia de Sprawl, duologia Jurassic Park e Trilogia Fundação.

A editora Record marcou presença na Bienal com um estande muito bom e bonito também. Caprichou na quantidade de livros.

Por fim, posso dizer que essa minha primeira vez em uma Bienal foi muito gratificante, não só por ter conhecido pessoas que venho falando e interagindo já há tempos, mas também pelo porte organizado de um evento tão grande e importante como esse no Brasil.

Jeffa Koontz
Crítico Literário
www.sagaliteraria.com.br