Quando os corais perdem a cor é conhecido como branqueamento de corais. A estrutura esquelética dos corais duros é normalmente branca, mas devido as algas zooxanthellae, que são pequenas plantas chamadas dino-flagelados, residem nos tecidos moles dos corais, eles têm cor e, que durante o dia fotossintetizam.

Os pólipos de coral se beneficiam do produto da fotossíntese e, por sua vez, as algas se beneficiam dos resíduos de nitrogênio, fósforo e dióxido de carbono produzidos, que ele precisa para crescer. De noite, os pólipos se alimentam de plâncton, capturando-o com seus tentáculos. Essas microalgas são fotossintéticas, e sua relação com alguns corais, assim como com outras espécies marinhas, é um exemplo de endossimbiose (simbiose é convivência de dois organismos mutuário benéfica e, endo significa dentro).

Se a taxa de produção fotossintética for muito alta, os corais têm a capacidade de controlar a quantidade de zooxantelas, expulsando-as. No entanto, quando os corais são excessivamente estressados, isso faz com que eles expulsem mais zooxantelas do que o necessário e, portanto, a perda de cor resulta na expulsão de muitas zooxantelas e a concentração de pigmentos fotossintéticos nesses organismos é diminuída.

Embora o branqueamento a longo prazo possa causar a morte parcial ou total das colônias de corais, se a situação não for muito severa e as condições estressantes forem alteradas, é possível que colônias afetadas recuperem suas microalgas simbióticas e comecem a crescer novamente.

Como o estresse parece ser a chave para a ocorrência desse problema, vamos avaliar quais eventos são relatados como sendo a causa do branqueamento nos recifes de coral ao redor do mundo.

As mudanças climáticas na atmosfera terrestre, devido às emissões de gases do efeito estufa, que se correlaciona com o aumento do furacão, tornado, enchentes, areia e outras atividades de tempestades, aumento do nível do mar e assim por diante.

• Temperatura da água;
• Salinidade da agua;
• Temperaturas do ar;
• Dióxido de carbono e gás metano;
• Aumento da radiação ultravioleta;
• Exposição aos altos níveis de luz;
• Turbulência aumentada ou alta da água;
• Diminuição nos níveis de luz;
• Poluição.

Uma mudança nas correntes oceânicas, relacionada a mudanças nas populações de fitoplâncton e zooplâncton, bem como a quantidade de outros nutrientes presentes na água.

Esse efeito de branqueamento dos corais é um indicativo que está ocorrendo mudanças severas no planeta e pode levar a extinção de várias espécies do mesmo.

Fonte: www.portalsaofrancisco.com.br, por Camila Correia