Diante do aval do governo brasileiro, o Conselho de Administração da Embraer ratificou a aprovação dos termos das negociações de fusão da empresa brasileira com a companhia norte-americana Boeing.

Desde julho de 2018, as duas companhias negociam um acordo de fusão, que prevê a criação de uma empresa de aviação comercial e outra de defesa – o que é chamado de Joint Venture. A gigante norte-americana terá 80%

do novo negócio, enquanto a Embraer ficará com os 20% restantes, que podem ser vendidos posteriormente.

Pelo acordo, os negócios de defesa da Embraer também serão compartilhados, com foco no desenvolvimento da aeronave de transporte tático KC-390, com o controle da empresa brasileira.

Apesar de privatizada nos anos 1990, o governo brasileiro mantém uma “golden share” na Embraer, uma ação que dá à União poder de veto acerca de decisões estratégicas tomadas pela companhia: como a transferência do controle societário.

Fonte: Governo do Brasil