Porto Velho foi desbravada no início do século XIX para a construção da Ferrovia Madeira-Mamoré. A empreitada concedeu biografia ímpar à capital de Rondônia e misturou culturas. A cidade que surgiu no começo do século está localizada na bacia do Rio Amazonas. O local é puro verde.

O museu que narra essa epopeia se tornou um dos pontos mais visitados. Construído em 1949, o edifício de arquitetura neocolonial funcionava como sede do governo estadual e era conhecido como Palácio Presidente Getúlio Vargas. Atualmente, após revitalização, se tornou o Museu Palácio da Memória Rondoniense.

Rodeada por florestas à margem do Rio Madeira, Porto Velho tem rica biodiversidade e esconde paraísos naturais. A Reserva Extrativista do Lago do Cuniã dedica-se à preservação da fauna e flora, reprodução da vida de animais aquáticos, como o pirarucu (um dos maiores peixes de água doce do mundo) e manejo da população de jacarés da espécie açu e jacaretinga. A reserva também abriga comunidades ribeirinhas. Cercada por igapós (vegetação que cresce dentro da água) e igarapés (pequenos riachos que cortam a floresta), é ideal para observação de aves. As visitas são acompanhadas por monitores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e é necessário ter autorização do instituto para entrar no local.

Pelo centro da cidade o turista pode conhecer a Praça das 3 Caixas d’água onde estão os reservatórios que abasteciam a cidade até 1957.

Uma pequena caminhada para visitar a Catedral Sagrado Coração de Jesus, a igreja matriz da cidade. De fora, é possível apreciar o estilo clássico da edificação, com torres campanárias simétricas e, na parte mais alta da fachada, uma estátua de bronze do padroeiro da Catedral. Seu interior abriga citações bíblicas e quadros pintados à mão. Vitrais artísticos cobrem uma área de 147m². O altar de mármore de Carrara, proveniente da Itália, é outro destaque.

Tem ainda a famosa, lendária e centenária estrada de Ferro Madeira Mamoré conhecida em todo mundo. A estrada de ferro tem marcos para passeios. Foi durante a construção de uma das mais épicas ferrovias brasileiras, a Madeira-Mamoré (EFMM), que surgiu Porto Velho, em 1907. Apesar da grande importância histórica e econômica para a capital, a estrada foi desativada entre 1960 e 1970. O museu guarda itens da antiga ferrovia, trilhos e a Locomotiva Coronel Church, a primeira máquina a vapor a chegar à Amazônia. Nos fins de semana, abriga feira de artesanato.

O Madeira é o principal Rio que banha o município, vindo do Sul da Bolívia.

Quem for a Porto Velho tem que experimentar a culinária regional. Entre os pratos imperdíveis estão o tacaca, açaí, tapioca e principalmente os peixes pirarucu, tambaqui e dourado. É um ótimo local para desfrutar sabores exóticos, como a maniçoba (mistura de carne de porco e boi com folhas de mandioca).

Fonte: www.feriasenobrasil.com.br