Barbara Ferreira é uma modelo e atriz americana, filha de brasileiros, e conhecida por ter sido uma defensora da positividade corporal.

Barbie, seu nome artístico, nasceu no bairro de Queens, em NY, e depois mudou-se para Maywood, NJ.

Ela frequentou a Hackensack High School e foi criada por sua mãe, Jana Seppe, uma tia e avó.

Começou sua carreira enviando fotos de modelagem para uma seleção aberta da American Apparel. Desde então, ela modelou para marcas como Aerie, Adidas, Asos, Forever 21, H&M, Missguided, Diesel e Target.

Com fotos (não retocadas) e uma entrevista e em um vídeo da campanha da Aerie, Barbie se tornou viral em 2016. No mesmo ano, a Time Magazine nomeou-a entre os “30 adolescentes mais influentes de 2016”.

Barbie dirigiu o videoclipe “So Cool” de Doauni. Estrelou os 10 episódios da série Vice How to Behave, e por isso ganhou um Webby Award de Melhor Personalidade/ Anfitriã Web. Ela também estrelou na Teen Vogue a série web Body Part , sobre positividade corpo.

Além disso, Barbie interpretou Ella em dois episódios da série da HBO, Divorce, e atualmente está entre as estrelas da série da HBO, Euphoria, onde a atriz de 22 interpreta a colegial Katherine Hernandez, uma jovem estudante do ensino médio que está presa em um mundo onde ela não apenas se sente “acima do peso” e pouco atraente, mas também quase invisível, uma sensação an qual ela admite estar mais do que familiarizada.

Apesar de intimidadora no início, foi assim que ela aprendeu a parar de se importar com o que as outras pessoas pensavam dela. Embora existam poucos paralelos entre a modelagem e a webcam, Ferreira afirma que o sentimento intenso de vulnerabilidade é o mesmo.

Até hoje, Barbie continua a defender essa confiança enquanto inspira sozinha sua legião de meio milhão de seguidores no Instagram.

Embora tanto ela quanto sua personagem tenham encontrado uma sensação de poder na celebração de seus corpos e personalidades, a atriz insiste que isso não acontece exatamente “da noite para o dia”. Com Kat, ela tem um momento horrível, onde sua confiança e poder são completamente tirados. Encontrar poder em uma sociedade obcecada por imagens é uma tarefa em si. Os adolescentes estão fazendo isso enquanto navegam pela vida e pela identidade, obviamente cometendo erros que só podem ser ampliados com a atenção constante e nítida da mídia social a cada pequeno detalhe.

No final, tudo o que Barbie espera é um pouco de empatia pelos adolescentes na vida real e até por aqueles que espelham suas lutas na tela.

“Levou seis anos para eu estar em um lugar onde eu me aceito, e cresci tanto. Eu realmente espero que as pessoas possam ver esse anseio. Um vídeo violento pode aparecer, você verá tragédias constantemente bombardeadas em seu telefone, você verá coisas que você não quer ver, pornografia na internet e toda essa sobrecarga de informações.Eu acho que as pessoas que estão crescendo nesta era da mídia social podem realmente sentir por esses personagens, porque eles são extremamente falhos. Mas a coisa é que pessoas reais são falhas! Então a mensagem no programa é realmente por compaixão, empatia, por ver de onde essas crianças estão vindo.”

Quanto àqueles que consideram o show “sensacional demais” ou “indecoroso”, Barbie tem uma mensagem: “Acho que mais pessoas precisam começar a ouvir e colocar as pessoas atrás de uma câmera que identificam e fazem parte dessas comunidades para contar suas histórias”, diz ela. “Eu certamente espero que Euphoria fale com todos. Nossos personagens são todos diferentes, mas na mídia, somos colocados nessas caixas, onde ela é uma garota curva, ela é uma modelo trans, ou ela é o que for. Espero que esse show faça as pessoas realmente se identificarem com todos e saberem que todos são realmente similares, e essas identidades podem influenciar uma decisão, mas não é o centro do mundo de todos.”

Euphoria estreiou em 16 de junho, na HBO.

Fonte: www.papermag.com (por Jeena Sharma) com informacoes da Wikipedea