Muita controvérsia nos EUA em torno das vacinas, particularmente a do sarampo nas semanas de abril e maio de 2019, quando centenas de crianças ficaram doentes porque alguns não tomaram a vacina como deveriam. Pais alegam razões religiosas mas não tem fundamento pois a vacina contra o sarampo não existia nos milênios passados quando os escritos religiosos sancionavam o que se poderia e o que não se deveria fazer.

Além disso não há componente nem de carne bovina ou de porco na fabricação desta vacina que justifique negar a possibilidade de proteger a criança desta doença facilmente prevenível e que pode ser muito séria se a pessoa não tem imunidade contra este vírus. Trata-se de uma doença extremamente contagiosa e que pode ter resultados nefastos inclusive pneumonia e até óbito.

O que se discute é se as autoridades públicas devem impor por lei a vacina para todos com a punição da criança não ser aceita na escola sem comprovante que a vacina foi efetivamente dada.

Exceções existem inclusive gravidez, uso de remédios imunossupressores (quem teve algum transplante por exemplo), Aids ou alguma enfermidade que afete o sistema imunitário e onde uma vacina de vírus vivo é contraindicada.

Alguns adultos que tenham sido vacinados décadas atrás podem não ter mais imunidade e precisam tomar um reforço da vacina. Isso pode se saber com um simples exame de sangue para medir a quantidade de anticorpos contra sarampo que o paciente tem. Se está imunizado, ótimo. Senão, toma-se um reforço e pronto. Isso é especialmente importante se você trabalha na saúde, ou é professor de escola ou avô pois você pode não ficar com sarampo mas pode contaminar seus pacientes, seus alunos ou seus netos.

O sarampo não tem remédio tipo antibiótico. Hidratação e repouso e sobretudo ficar em casa para não contaminar as pessoas ao seu redor.

Se você tem um filho que tem febre, coriza, conjuntivite, e umas manchas avermelhadas pelo corpo, ligue para seu médico. Não precisa ir à emergência nem ir ao consultório do médico. Este lhe dirá o que fazer pelo telefone.

Verifique a carteirinha de vacinação de seus filhos para ter certeza que todos estão em dia com esta vacina. Aqui nos EUA ela é dada sob a sigla MMR (measles, mumps, rubella).

No Brasil de vez em quando tem uma epidemia de sarampo e as autoridades lançam campanhas gerais de vacinação para todos. Portanto é bem possível que seu filho ou você tenham tomado mais de uma dose desta vacina. A recomendação é tomar duas doses a começar com um ano de idade e em seguida entre quatro e seis anos de idade. Se a pessoa não tem imunidade ela poderá tomar em qualquer idade. As vacinas aqui nos EUA são comumente administradas nos próprios consultórios dos médicos.

DR. ALBERT LEVY
Family Practice Physician
www.manhattanfamilypractice.com