Falar da carreira de Sir Elton John, um dos maiores astros da música no mundo, talvez seja até redundante. Afinal, todo mundo conhece o artista, já ouviu pelo menos uma dúzia de músicas de sucesso imediato e mesmo que não seja sua praia, ainda assim, sabe exatamente de quem estamos falando.

Uma vida de sucessos atrás de sucessos comerciais que trouxe fama, fortuna e reconhecimento pelo talento abismal de um ser humano tão notável como Sir Elton John nos faz pensar de que a vida para alguns é tão fácil como acordar e tomar um belo café da manhã em algum lugar com uma vista linda e agradável. Mas, não é bem assim.

Nem sempre Elton Hercules John, foi Sir. Na verdade sequer nasceu como Elton e muito menos John, o grande astro que hoje conhecemos veio ao mundo em 25 de março de 1947 como Reginald Kenneth Dwight, na cidade de Pinner, Middlesex na Inglaterra e quando se embrenhou no mundo artístico mudou seu nome para Elton John, o que já causava estranheza, pois Elton, na verdade é um sobrenome para eles lá “dos estrangeiro”.

Tendo um começo de carreira qua-se que por acaso, Elton John, teve que lidar com tudo de uma vez só: sua sexualidade, seu talento que aliado ao talento de outra lenda, o espetacular letrista, Bernie Talpin, muitas vezes pareceu demais para o iniciante Elton. Mas as coisas estavam apenas começando quando ele fez seu primeiro show nos Estado Unidos, pois com a desenvoltura que havia adquirido na sua adolescência, quando ainda fazia parte da banda Bluesology, fez com que os americanos dessem o pontapé inicial no sucesso daquele que viria a ser um dos maiores astros da música no mundo.

Para quem gosta de ler autobiografias ao invés de biografias, posso dizer que Eu, Elton John é bastante informativo, corajoso e bastante divertido. Elton, também tem uma ótima veia cômica para contar sua própria história e, não deixa nada de lado, por mais embaraçoso que tivesse sido para ele. Aliás, ele transforma o embaraço em comédia no seu jeito de contar os fatos.

Amigo chegado de astros como Freddie Mercury, George Michael, Gianni Versace e também da Princesa Diana, narra com toda a delicadeza e com muito carinho seu tempo com cada um deles antes de suas respectivas mortes. Sem ser sensacionalista em momento algum, muitas vezes, Elton, consegue arrancar algumas lágrimas da gente enquanto lemos.

Também tem várias curiosidades como por exemplo, entre um dos seus melhores amigos, Rod Stewart, onde ao longo dos anos, um sempre tenta sacanear o outro e, acredite, tem momentos hilários entre esses dois malucos que, nitidamente, se amam como dois irmãos.

Mas nem tudo foi flores para Sir Elton John, pois durante sua escalada de sucesso, se envolveu fortemente com as drogas, o que o colocou em situações desde curiosas até muito, mas muito desastrosas. Mas o que nos espanta mesmo é a sua espontaneidade e sinceridade em nos contar essas suas experiência tão delicadas e perigosas.

Obviamente que Elton, não poderia deixar de fora toda a sua escalada em sair do armário, o que, diga-se de passagem, foi mais problematizado por ele mesmo do que por qualquer outra pessoa, seja familiar ou amizade. Elton teve apoio desde cedo de sua mãe, avó, e mesmo que o pai jamais tenha sido aquele que Elton desejava, teve seus momentos, mas a discriminação não foi uma delas. O que acontecia entre eles era falta de amor de pai mesmo.

Elton John sempre foi um pouco problemático em seus romances. Mas não foi diferente de ninguém como nós, meros mortais, que também erramos, sofremos até conseguirmos chegar na pessoa certa, no caso, o grande amor de sua vida, David Furnish. Mas, para isso, como disse, Elton teve grandes percalços e um erro colossal, que deixo para vocês descobrirem qual foi.

Eu, Elton John é um livro que vai te divertir bastante, pois como disse, a veia de escritor do autobiografado é muito boa. Então, preparem-se para chorar, odiar, se espantar, mas principalmente rir um bocado. Não tem como não dizer… então eu digo mesmo…. Eu, Elton John, publicado pela editora Planeta é absolutamente I-M-P-E-R-D-Í-V-E-L.

A carreira de Sir Elton John é incomparável no mundo do showbiz. Ele é um dos artistas de maior sucesso com 26 álbuns de ouro, 38 de platina e um de diamante. Foram 6 GRAMMYs, entre outros inúmeros prêmios. Em 2018, foi nomeado o artista masculino solo de maior sucesso no mundo pela Billboard Hot 100, Chart History. Sua fundação para a Aids arrecadou mais de 450 milhões de dólares para combater a doença. Ele é casado com David Furnish e tem 2 filhos.

Jeffa Koontz
Crítico Literário
www.sagaliteraria.com.br