Leila Roque Diniz nasceu em Niterói, Rio de Janeiro, no dia 25 de março de 1945.

Rebelde, fugiu de casa com 14 anos indo morar na casa de uma tia.

Em 1962, então com 17 anos, Leila conheceu o cineasta Domingos de Oliveira, e moraram juntos até 1965. Nessa época, trabalhou como modelo de propaganda e depois atuou em peças de teatro infantil como “Em Busca do Tesouro”.

Em 1963, trabalhou como corista em um show de Carlos Machado. Trabalhou também nos filmes “O Mundo Alegre de Helô” e “Jogo Perigoso”. Em 1964, atuou no teatro em “O Preço de Um Homem”, com Cacilda Becker.

Em 1965, já separada de Domingos de Oliveira, casou-se com o cineasta Ruy Guerra, época em que começou sua carreira na TV e atuou em diversas novelas.

Em 1966 estrelou no filme “Todas as Mulheres do Mundo”, dirigido por Domingos de Oliveira, que fez um grande sucesso de público e crítica.

Leila recebeu o Prêmio “Air France de Melhor Atriz” de 1967. Dizia que “O sucesso assusta, mas também abre o apetite”.

Em seguida atuou em novelas: “A Rainha Louca” (1967), “O Direito dos Filhos” (1968) e nos filmes: “Fome de Amor” (1968) e “Edu Coração de Ouro” (1969).

Em 1969, quando o jornal “O Pasquim” publicou sua célebre entrevista, as páginas estavam repletas de asteriscos, nos palavrões que a censura havia suprimido. Na entrevista, a atriz fala de sua opinião sobre amor e sexo, escandalizando a sociedade.

Nesse mesmo ano, Leila reabilitou o gênero mais popular, o teatro de revista, quando vestida de Carmem Miranda, brilhou na divertida e picante apresentação de “Tem Banana na Banda”.

Na peça, Leila improvisou textos de Millôr Fernandes, Luiz Carlos Maciel, José Wilker e Oduvaldo Viana Filho. Recebeu de Virgínia Lane o título de Rainha das Vedetes.

No final de 1970, grávida de sua primeira filha, foi fotografada usando um reduzido biquíni, passeando nas areias da praia de Ipanema, o que provocou um choque para a sociedade conservadora da época.

No carnaval de 1971, foi eleita Rainha da Banda de Ipanema. No dia 19 de novembro de 1971 nasceu Janaína Diniz Guerra, sua tão sonhada filha.

Em 1972 estreou no espetáculo de teatro de revista, “Vem de Ré”.

Em junho de 1972, Leila foi para a Austrália, junto com a delegação brasileira para uma premiação no festival de cinema de Melbourne.

Com saudade da filha, então com sete meses, voltou mais cedo para casa, pegou um avião da Japan Airlines que caiu na Índia, sem deixar sobreviventes.

Leila Diniz faleceu em Nova Deli, na Índia, no dia 14 de junho de 1972.

Fonte: www.biografias.com, por Dilma Frazão