A isenção de vistos para mercados estratégicos já gera resultados positivos. Os dados apresentam crescimento no número de reservas efetuadas nos países beneficiados. Nos EUA, o aumento foi de 53% nas viagens confirmadas para junho e 97% para julho, se comparados ao mesmo período em 2018. Já no Canadá, o crescimento foi de 86% para junho, 54% para julho e, expressivos, 135% para agosto deste ano.

A isenção é uma antiga demanda da cadeia produtiva do turismo, atendida nos primeiros cem dias de Governo.

O presidente interino da Embratur, Leônidas Oliveira (foto) salienta que os resultados não são estimativas, mas sim reservas já fechadas que vão gerar impacto positivo na economia nacional nos próximos meses.

“O turismo é a atividade contem-porânea que mais cresce e produz impacto social e econômico com geração de emprego e renda. Ações de desburocratização e estímulo à entrada de mais turistas estrangeiros, movimentam nossa economia, promovem a abertura internacional do Brasil e reposicionam o país no mercado turístico mundial, metas perseguidas pela Embratur”, pondera.

O Ministério do Turismo e a Embratur preparam uma grande campanha de divulgação sobre a isenção de vistos nos quatro países beneficiados – Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália. O objetivo é potencializar ainda mais a procura destes turistas internacionais pelo Brasil como destino turístico. O trabalho envolve ações digitais, de relações públicas e de publicidade, com o objetivo de reforçar a divulgação da medida aos países

beneficiados.

Viajantes dos quatro países considerados estratégicos poderão entrar no país, a partir de 17 de junho, sem a necessidade do documento.

O benefício contempla visitantes que possuem passaporte válido com viagens para fins de turismo de lazer e de negócios, realização de atividades artísticas ou desportivas ou em situações excepcionais por interesse nacional. A iniciativa é válida também para turistas em trânsito no Brasil.

A estada no país poderá ser de até 90 dias, prorrogável pelo mesmo período, desde que não ultrapasse 180 dias, a cada 12 meses, contados a partir da data da primeira entrada em território brasileiro. A expectativa é de que a medida permita ao Brasil atingir a marca anual de 12 milhões de visitantes estrangeiros até 2022.

Fonte: Embratur