Durval estava sentado no sofá da sala de Heitor ao lado da cacatua. Ambos, ele e pássaro, imóveis como dois espectadores de um filme de suspense, com o ar retido dentro dos pulmões, apenas esperando o desenlace da próxima cena para respirarem aliviados ou quem sabe explodirem num grito. Tudo porque o relato de Heitor, o ex-capitão do exército que ficara preso dentro do laboratório com um monstro, havia chegado a um momento crucial. Depois ter a mente invadida por aquele ser hediondo, parece que Heitor estava prestes a ser preso pelos soldados que o descobriram.

Heitor levou o charuto à boca e aspirou a fumaça, de olhos fechados soprou lentamente na direção do teto da sala. Parecia até que o homem não queria mais contar a história. Durval esperou pacientemente.

— Sim, eu queria que eles tivessem me prendido quando me descobriram, e me jogado em uma cela suja e fétida do quartel, quem sabe junto com o tenente De Matos que havia sido espancado por aqueles porcos imundos!

Heitor olhou longamente para a cacatua.

— Eles não me surraram como haviam feito com o tenente De Matos, Durval. Eles…

Durval percebeu o quanto era difícil para Heitor remexer naquelas memórias.

— Vou te mostrar uma coisa — disse Heitor.

Ele levantou-se e foi até um armário no fundo da sala. Abriu a porta de baixo e pegou o que parecia ser um saco de pano vermelho. Voltou e se sentou com o embrulho no colo. Tateou o conteúdo do saco com o que parecia ser um misto de respeito e tristeza. Então abriu a corda que prendia a boca do saco e tirou de dentro um crânio.

Era em tudo idêntico a um crânio humano, exceto pelos chifres que se projetavam da testa. Cada um da grossura de um punho fechado, como os chifres de um carneiro, recurvados e enrugados, iam afinando até se tornarem tão finos quanto a ponta de um punhal.

Heitor segurou o crânio bem de frente para Durval. A caveira cheia de dentes pontiagudos parecia sorrir de modo maligno. As cavidades oculares eram profundas e o osso ao redor das órbitas proeminente, o que fazia o crânio todo parecer enfurecido.

Então a cacatua começou a gritar e balançar a cabeça para cima e para baixo com as penas do pescoço eriçadas. Pulou do braço do sofá e começou a tentar bicar o crânio que Heitor tinha nas mãos. Heitor tratou de devolver a caveira de volta ao saco de pano, afastando com a outra mão o pássaro que, descontrolado, arranhou o braço de Heitor com as garras. Heitor deu um safanão na cacatua que caiu no chão. Mas imediatamente pulou meio voando de volta ao sofá tentando agarrar o saco de pano. Heitor levantou-se e guardou o saco de volta ao armário no fundo da sala. A cacatua era inteligente e, percebendo que não poderia mais alcançar o crânio já que estava trancado dentro do móvel, partiu para cima de Heitor, inconformada. Acabou empoleirando-se em seu braço enquanto grasnava como um ganso e batia as asas com violência na direção do rosto de Heitor.

Durval tentou ajudar, pegou a bengala e se levantou para afastar o bicho de cima de Heitor. Com muito custo, os dois conseguiram abrir a porta da sala, jogar a ave para fora e fechar a porta. Voltaram para o sofá, esgotados. Ainda dava para ouvir o pássaro do diabo lá fora gritando.

Episodio XLIX continuana próxima edição.

JOSÉ GASPAR
Cineasta e escritor
www.historiasdooutromundo.com

SHARE
Previous article(English) Brazil will Host Copa America 2019
Next articleOs compositores e maestros do Brasil
JOSÉ GASPAR
- José Gaspar é trader e investidor no mercado financeiro, professor de investimentos, escritor e colecionador de palavras estranhas. Estudou Escrita Criativa e Storytelling em Nova York e Física na USP, onde foi pesquisador pelo CNPq no Laboratório de Inteligência Artificial da Escola Politécnica e no Instituto de Física. Escreve para vários veículos de comunicação e possui mais de uma centena de artigos e contos publicados. Ministrou cursos e palestras por todo o Brasil sobre o mercado de ações e futuros. Escreve artigos no site josegaspartrader.com e contos no blog José Gaspar is a trader and investor in the financial market, investment professor, writer and collector of strange words. He studied Creative Writing and Storytelling in New York and Physics at USP, where he was a researcher at CNPq at the Artificial Intelligence Laboratory of the Polytechnic School and at the Physics Institute. He writes for various media outlets and has more than a hundred articles and short stories published. He gave courses and lectures all over Brazil on the stock and futures market. Write articles on the site josegaspartrader.com and stories on the blog historiasdooutromundo.com. E-mail: jagramos@gmail.com