Valentina, o primeiro longa-metragem do cineasta brasileiro Cássio Pereira dos Santos, terá sua estréia mundial no Outfest Los Angeles LGBTQ Film Festival, que acontece de 20 a 30 de agosto, seguido por uma exibição no OUTshine LGBTQ + Film Festival, em Miami e Fort Lauderdale, no sábado, 29 de agosto. Um reflexo esperançoso e inspirador das dificuldades da vida real enfrentadas por uma jovem que busca abraçar quem ela é, Valentina marca a estréia no cinema da influente YouTuber trans brasileira Thiessa Woinbackk, no papel-título.

O filme acompanha Valentina, uma jovem de 17 anos que se muda para o interior do Brasil com a mãe, Márcia (interpretada pela renomada atriz Guta Stresser), para um recomeço. Para evitar ser intimidada em sua nova escola, Valentina tenta se inscrever com seu novo nome, na esperança de manter sua história pessoal de gênero privada. No entanto, a menina e sua mãe rapidamente enfrentam dilemas quando a escola local começa a exigir a assinatura do pai (Rômulo Braga) para efetuar a matrícula.

O cineasta gay Pereira dos Santos começou a desenvolver o projeto em 2013 com sua irmã Erika – também uma cineasta gay e produtora do filme – antes do lançamento de vários filmes trans e do surgimento da extrema-direita na política brasileira. O filme finalmente entrou em produção em maio de 2019 e está sendo lançado em um momento em que o Brasil – da mesma forma que os EUA – enfrenta uma reação ultraconservadora que ameaça reverter muitas das conquistas da comunidade LGBTQ.

Com produção executiva de Hebe Tabachnik, Natália Brandino e Walder Junior, o elenco e a equipe de Valentina foram em grande parte compostos por membros da comunidade LGBTQ. O filme foi produzido de forma independente pela Campo Cerrado, com o patrocínio do Edital de Longas de Baixo Orçamento da Secretaria do Audiovisual e da Ancine, em conjunto com o Fundo Setorial do Audiovisual.

Juntando-se a uma poderosa geração de cineastas brasileiros notáveis por inovar as representações da sexualidade e identidade no cinema, Valentina muda a narrativa dos filmes trans, por meio de uma abordagem afirmativa e inspiradora (ao vivo, acho que pode retirar esse ao vivo), e brilha com a atuação de Woinbackk, renomada figura nacional pronta para o seu debut internacional.Brasil, 2020, 95 min.

Em português com legendas em inglês. Roteirista/diretor: Cássio Pereira dos Santos; Produtora: Érika Pereira dos Santos; Produtores Executivos: Natália Brandino, Walder Junior e Hebe Tabachnik; Diretor de fotografia: Leonardo Feliciano; Engenheiro de som: Francisco Craesmeyer; Desenho de som: Camila Machado; Desenho de Produção: Denise Vieira; Editor: Alexandre Taira; Canção original: “Eu Nasci Ali”, de Tuyo & Xan; Produtora: Campo Cerrado Produções; Coprodutores: Kocria; Corriola Filmes. Apoio ao desenvolvimento do roteiro: Fundo de Apoio à Cultura do DF. Apoio logístico: Oficina Cultural de Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia e Prefeitura de Estrela do Sul. Estrelado por Thiessa Woinbackk (Valentina), Guta Stresser (Márcia, mãe de Valentina), Rômulo Braga (Renato, pai de Valentina), Letícia Franco (Amanda), Ronaldo Bonafro (Júlio), Pedro Diniz (Marco) e João Gott (Lauro).