No intuito de reviver os antigos carnavais de rua, um grupo de amigos, liderados por Enéas Freire, criaram no final de 1977, o Clube de Máscaras “O Galo da Madrugada”, que teve o seu 1º desfile no dia 23 de janeiro de 1978, em Recife, e reunindo 75 foliões. Em 1979, o número de foliões subiu para 350. Em 1991, o número de foliões ultrapassava um milhão, e em 1994, o bloco foi oficialmente colocado no livro dos Recordes como o maior do mundo.

Todo ano é montado um galo gigante, que tornou-se símbolo do carnaval de Pernambuco.

Em 2009, o bloco foi consagrado como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado de Pernambuco, saindo no sábado de carnaval e marcando a abertura do mesmo.

Nos últimos anos o Galo, como também é conhecido, repetiu o recorde de 2015, com 2,5 milhões de foliões nas ruas.

A movimentação de pessoas no centro do Recife no sábado de carnaval do Galo da Madrugada dura todo o dia. Os foliões começam a chegar por volta das 7 horas da manhã e o frevo é o principal ritmo tocado, composto por carros alegóricos, freviocas e cerca de 27 trios elétricos.

O Galo inspirou a criação de outros blocos pelo Brasil e em também outros países, a exemplo do Pinto da Madrugada, em Maceió, Sapo da Madrugada, no Amazonas, o Galinho de Brasília, na capital do Brasil e o Galo na Neve, no Canadá, além disso, o ano de 2020 marcou a estreia do Bloco do Galo da Madrugada também na cidade de São Paulo.

Obs: Pela primeira vez em 43 anos o Galo da Madrugada não arrastará multidões pelas ruas do Recife, no sábado do Zé Pereira, que este ano cai no dia 13 de fevereiro. Devido à pandemia do novo coronavirus, o carnaval do Estado e, consequentemente, o maior bloco de Carnaval do mundo não será realizado.