Com o turismo dizimado pela Covid-19, o paradisíaco arquipélago do Havaí enfrenta um verdadeiro pesadelo e a taxa de desemprego cresceu a uma velocidade nunca vista por ali. No entanto, muita gente está enfrentando essa crise com criatividade e con-seguindo dar a volta por cima. Entre elas duas brasileiras que mudaram para ilha de Oahu há alguns anos atrás, elas se reinventaram e se adaptaram ao novo normal, investiram nas redes sociais e estão conseguindo manter seus negócios.

Yoga no parque e online

A professora de yoga paulista, Alessandra Lopes, se mudou para o Havaí em 2009 com seu marido e sua filha de dois anos na época. Ela junto da sua amiga japonesa, Tomoko, são professoras do grupo de yoga no parque, chamado 2F Beach Park Yoga.

Alessandra começou a trabalhar com Yoga em 2015, num programa de yoga para crianças numa escola em Honolulu, onde sua filha estudava. “Em uma das escolas que ensinei, a coordenadora me perguntou se eu poderia fazer uma classe para os professores e empregados da escola.

Foi a partir daí que senti a necessidade de ter uma classe aberta que qualquer pessoa pudesse participar, sem ter que fazer parte de um estúdio ou uma determinada escola ou empresa”, conta. Normalmente seu público é formado por locais misturados com turistas do Japão, Canadá, Europa, EUA e brasileiros locais. Com a pandemia todos os turistas sumiram e o parque em que ela dá aula fechou duas vezes.

“Logo no início da pandemia, em março, eu estava dando aulas no parque e guardas do parque interromperam minha aula dizendo que o Prefeito de Oahu havia emitido uma ordem que a partir daquele dia, todos os parques estavam fechados até segunda ordem. Naquele momento estavam avisando a todos para saírem antes da polícia chegar. Foi muito triste termos que sair na metade da aula, principalmente sem saber o que iria acontecer depois ou quando poderíamos voltar a nossa vida normal.”

No primeiro lockdown Alessandra ficou dois meses e meio sem dar aulas e no segundo lockdown foram mais 45 dias parados durante o mês de agosto. E mesmo quando ela podia dar aulas, seus alunos estavam com medo e somente algumas pessoas locais estavam praticando.

Todas as escolas que ela ensinava fecharam e ela teve que parar os cursos para as crianças na metade do semestre. “Comecei a dar aulas online para as crianças, mas a dinâmica das classes ficou completamente diferente.”

Uma das soluções que ela usou para seguir adiante foi se reinventar e começar a usar plataformas online para divulgar e ensinar Yoga. “Nunca fui uma pessoa tecnológica ou que gostava de usar a mídia social de uma maneira frequente, mas tive que aprender que a tecnologia é minha amiga e me ajuda a conectar com as pessoas para poder dividir todos os conhecimentos de Yoga e poder difundir o espírito de Aloha com o máximo de alunos e pessoas possíveis.”

Acabou que a internet foi sua grande aliada, e ela não só manteve suas aulas de yoga no parque como ainda criou novos projetos, como seu novo curso de Yoga no Facebook “Yoga for Better Sleep” , onde o cliente pode assinar com o seu email e recebe grátis uma prática de Yoga Nidra – Yoga para dormir melhor. Ela também criou seu canal no Youtube, Alessandra Yoga Hawaii, com meditações e ainda investiu mais no seu instagram @alessandra_Yogahawaii_ e no Instagram do yoga no parque @2fbeachparkyoga.

Ela lembra que na vida tudo muda, nada continua igual e é preciso viver um dia de cada vez mantendo sempre a fé, a positividade e a esperança de que hoje pode ser um bom dia. “Já passei situações muito difíceis em 20 anos de América, mas em qualquer lugar que esteja sempre haverão algumas dificuldades, nada é perfeito. O que faz a diferença é persistir nos seus sonhos se adaptando a realidade.”

VIVIANE FAVER
Jornalista
vfaver@gmail.com

SHARE
Previous article(English) Childhood and Immigration from Burma to Britain
Next articleO novo perfil de imigrantes brasileiros nos EUA
VIVIANE FAVER
- Jornalista radicada em NYC. Estagiou e trabalhou no Jornal do Commercio por 10 anos na editoria de economia. Mudou-se para NY em 2014, onde começou a colaborar para o jornal The Brasilians, o Extra, O Dia, CNN Style (Londres), New York Beacon, entre outros. Também trabalha com documentários, o mais recente foi o 'Queen of Lapa', que ganhou o prêmio no festival LGBT, NewFest, em NYC, em 2019. - Brazilian journalist based in NYC. Started out as an intern, then worked at Jornal do Commercio in Brazil, where she spent 10 years writing for the economic editorial. She moved to NY in 2014, and started collaborating for The Brasilians, Extra, O Dia, CNN Style (London), New York Beacon, among others. Also working with documentaries, the most recent was the 'Queen of Lapa', which won the award at the LGBT festival, NewFest, in NYC, in 2019.