Foto: Kathy Hutchins/Shutterstock.com

Você provavelmente já a viu na TV, principalmente como garota-propaganda da linha de cosméticos CoverGirl, mas não imaginou que se tratava de uma brasileira nascida no Rio de Janeiro.

Modelo, atriz, estrela de cinema e televisão aclamada internacionalmente; produtora, autora, ativista, mãe de três filhos e avó de quarto netos, Jennifer O’Neill deixou cedo o Brasil para ser criada em New Rochelle, NY e Wilton, CT. Filha de uma inglesa e de um brasileiro de origem portuguesa, espanhola e irlandesa, Jennifer iniciou a vida professional como modelo, aos 15 anos, quando se mudou com a família para New York City e foi descoberta pela agência Ford. Enquanto frequentava a prestigiada escola Dalton, Jennifer aparecia na capa de revistas como Vogue, Cosmopolitan e Seventeen.

O mundo das capas de revistas, fama e fortuna rapidamente a levaram a buscar outros objetivos. Aos dezenove anos, ela foi aceita no Neighborhood Playhouse – uma conceituada escola para atores em NY. Não demorou muito para que o talento de Jennifer fosse notado pelo diretor Howard Hawks, que a escalou para estrelar, ao lado de John Wayne, “Rio Lobo”. Aos 21 anos, Jennifer era atriz principal no cinema, casada e mãe do seu primeiro filho.

Depois de sua estreia no cinema, ela aceitou um papel no filme “Summer of ‘42”. Sua atuação super elogiada de Dorothy fez de Jennifer O’Neill um nome familiar, e hoje, “Summer of ’42” é considerado um clássico do cinema americano.

Em busca de novas oportunidades, Jennifer mudou-se para a Europa e se colocou sob a tutela do diretor italiano Luchino Visconti. Atuou no último filme dele, “O Inocente”, coestrelado por Giancarlo Giannini, e teve seu trabalho premiado.

Retornando aos Estados Unidos, Jennifer continuou a estrelar uma sucessão de filmes notáveis como “The Carey Treatment” de Blake Edward, com James Coburn, “Caravans”, com Anthony Quinn, “The Reincarnation of Peter Proud”, com Michael Sarrazin, “Force of One”, com Chuck Norris, “Lady Ice”, com Robert Duvall e Donald Sutherland, e “Scanners” de David Cronenberg, só para citar alguns.

O primeiro filme para a televisão em que ela estrelou, “Love’s Savage Fury”, marcou 39 pontos de audiência, tornando-se o filme mais bem avaliado do ano da ABC. O projeto seguinte para a televisão, “The Other Victim”, coestrelado por William Devane, para a CBS, foi aclamado como um dos 10 melhores filmes do ano.

Não há como não destacar a impressionante campanha de Jennifer como porta-voz da CoverGirl: como garota-propaganda por 30 anos, ela conseguiu transformar a marca na linha de maquiagem mais vendida do país. Jennifer está listada no Centro da História da Propaganda do Museu Nacional da História Americana, em Washington D.C., por seu contrato recorde como modelo e porta-voz da empresa de cosméticos em anúncios e comerciais de TV.

Como se todas essas atividades não fossem suficientes para preencher o dia, Jennifer é uma defensora constante de causas sociais. Já atuou como presidente da American Cancer Society e organizou um jantar especial para World Vision, gravado na África, sobre a epidemia de HIV. Jennifer também compartilha a sua paixão por cavalos em sua fazenda em Nashville com seus programas e eventos Equine-Assisted Hope and Healing at Hillenglade Programs and Events. Até o momento, HHH já serviu mais de 4.000 membros das Forças Armadas, veteranos, Guarda Nacional e suas famílias desde 2010.

A paixão de Jennifer por cavalos começou durante a infância quando ainda vivia no subúrbio de Nova York. Ela chegou a tentar suicídio quando a mudança do subúrbio para a cidade a afastou do seu cão Mandy, e do seu cavalo, Monty, “o seu mundo todo”.

Como autora, Jennifer recentemente atualizou a sua autobiografia, “Surviving Myself”. Seus outros trabalhos publicados incluem no-velas, “All That Glitters” e “Res-Q Pals”; trabalhos literários, “From Fallen to Forgiven” e “You’re Not Alone” , bem como “Circle of Friends/Just Off Main”, uma série de ficção em 3 partes.

Ainda na indústria cinematográfica, Jennifer escreveu e dirigiu vários curtas-metragens e comerciais e também dirigiu o longa-metragem “Roe V. Wade”.

Nos seus 73 anos, Jennifer continua trabalhando como atriz, autora e diretora, além de oferecer palestras corporativas.