Inovadores em campi universitários nos Estados Unidos estão combatendo a Covid-19 criando máscaras que detectam a presença do vírus que causa a doença, protegem o usuário de ser infectado e facilitam a respiração e a testagem.

Sensores de coronavírus que mudam de cor

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego desenvolveram sensores que podem ser colocados em qualquer máscara a fim de determinar se o usuário foi exposto ao coronavírus. O sensor muda de cor quando o vírus é detectado na respiração ou na saliva.

Tão convenientes e baratos como testes de gravidez de farmácia, os sensores oferecem um resultado rápido que é fácil de ler.

“De muitas maneiras, as máscaras são o sensor ‘vestível’

A FloeMask do Laboratório Luminosidade da Universidade Estadual do Arizona Lab é projetada promover uma experiência de máscara antiemba-çante e refrescante para reduzir o desconforto ao usar a máscara. Foto © Laboratório Luminosity da ASU

perfeito para nosso mundo atual”, disse Jesse Jokerst, professor de Nanoengenharia da Faculdade de Engenharia Jacobs da Universidade da Califórnia em San Diego e investigador principal do projeto. “Estamos pegando o que muitas pessoas já estão vestindo e reaproveitando, para que possamos identificar novas infecções de maneira rápida e fácil, e proteger comunidades vulneráveis.”

O sensor não tem como objetivo substituir os testes da Covid-19, mas serve como um alerta para o usuário buscar atenção médica se o vírus for detectado. Jokerst o comparou a um detector de fumaça.

Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA forneceram US$ 1,3 milhão para o projeto da UC San Diego. A equipe de pesquisa fará parceria com um fabricante a fim de produzir os sensores a serem utilizados por indivíduos em ambientes de alto risco. Os sensores serão de baixo custo para permitir testes diários.

Respiração mais fácil

Uma equipe de estudantes da Universidade Estadual do Arizona (ASU) projetou uma máscara que protege contra o vírus e, ao mesmo tempo, facilita a respiração.

A equipe de alunos de graduação e pós-graduação da ASU entrevistou pessoas que relutavam em usar máscaras. Muitos disseram que as máscaras dificultavam a respiração, especialmente durante a prática de exercícios físicos.

Como muitas pessoas respiram principalmente pelo nariz, a equipe projetou uma máscara com câmaras separadas para o ar exalado pelo nariz e pela boca.

A máscara da equipe ASU ganhou US$ 500 mil em uma competição liderada pela XPrize, organização sem fins lucrativos que patrocina competições visando resolver

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego criaram uma tira de teste que muda de cor que se conecta a uma máscara e detecta o Sars-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19, na respira-ção ou na saliva de um usuário. Foto © UCSD

desafios globais.

“Não tem sido uma questão de dinheiro ou mesmo de reconhecimento para esta equipe”, disse Nikhil Dave, líder da equipe da ASU. “Trata-se de fazer o que podemos para impactar nossas comunidades e resolver desafios urgentes à medida que surgem.”

Testes e mais testes

Enquanto isso, pesquisadores da Universidade de Illinois desenvolveram um teste de saliva de baixo custo visando detectar a Covid-19. O teste fornece resultados em menos de 24 horas. O corpo docente da Universidade do Arizona desenvolveu um teste usando águas residuais, enquanto alunos do mesmo campus desenvolveram um aplicativo móvel de exposição à Covid-19 para rastrear a propagação. O aplicativo mantém o usuário anônimo.

Outros inovadores nos EUA também estão lutando contra a disseminação da Covid-19 usando métodos que variam de inteligência artificial a anticorpos de lhama.

Fonte: https://share.america.gov/