Com quase um ano de distanciamento social devido a Covid 19, a classe artística ainda tenta encontrar maneiras de reinventar o trabalho durante esse período. Nesse período de incertezas sociais, muitos artistas se recolheram, porém esse definitivamente não foi o caso da brasileira Ana Moioli (Co-Diretora Artística), que é uma atriz, produtora, diretora e escritora brasileira radicada em Nova York.

Sua carreira de atriz abrangeu o mundo, do Brasil à Rússia e aos Estados Unidos, e recentemente, ela produziu e estrelou CherryBomb – uma série de TV que será lançada no Amazon Prime em 2021.

Como muitos de nós, ela passou por desafios, sendo o maior deles ter contraído o vírus e ficado meses sozinha no seu apartamento em Nova Iorque, além de ter dado tchau para pessoas muito importantes na sua vida.

“Eu tive muita sorte, não só porque meus sintomas foram fracos, mas também porque eu tenho uma comunidade de pessoas muito queridas ao meu redor, mesmo que esse ‘redor’ seja a tela do Zoom.”

A atriz encara a pandemia como uma oportunidade de mudança e aprendizado de lidar com o imprevisto. “A minha companhia de teatro, Et Alia, me serve constantemente como um norteador, independentemente das circunstâncias, já que somos uma equipe muito dedicada e uma fonte de apoio mútuo. Desde o início da pandemia, não pulamos nenhuma das nossas reuniões semanais no Zoom, o que me forçou a manter a criatividade ativa e descobrir novas soluções artísticas para os novos obstáculos globais”, conta.

Ao invés de paralisar, Ana junto com sua companhia de teatro elaboraram dois projetos online, This Is Me Eating e Shift The Space, o que permitiu engajar uma audiência além da de Nova York.

“Como somos todas mulheres internacionais, as plataformas online nos trouxeram a vantagem de poder atrair pessoas dos nossos próprios países. This Is Me Eating, por exemplo, atraiu participantes de diversas partes do mundo, sendo várias delas do Brasil. Eu participei de outros projetos teatrais online, como o Happy Hour Online do Group.br (única companhia teatral brasileira de NY) lendo textos da Clarice Lispector, e o festival de 24h da Here We Go, no qual trabalhei primeiro como atriz e depois como diretora. Na fase em que os números de Covid estavam mais controlados em Nova Iorque, pude participar de sets que seguiam o protocolo de segurança. A série de comédia, CherryBomb, em que trabalhei como atriz e produtora, foi meu principal projeto, e ela sairá na Amazon Prime neste ano, 2021”, comemora.

No entanto, mesmo com esses dois projetos, a pandemia lhe deu muito tempo livre, que ela usou para investir em seus interesses que vão além do teatro, como sua carreira paralela de professora de xadrez para crianças. “Trabalho para a escola Chess At Three. Lá eu ensino xadrez contando histórias. Essa escola é simplesmente fantástica, e as aulas são extremamente divertidas e teatrais. Durante a pandemia, aproveitei essa oportunidade e construí uma carreira como professora virtual de xadrez, já que todas as aulas se tornaram online.”

Para finalizar, Ana diz que suas expectativas para o futuro é que todos sejam vacinados o mais rápido possível, apesar de saber que o processo não será tão rápido e simples. Mesmo assim, ela continua tocando novos projetos para esse ano de 2021, e um deles é o curta-metragem Til Morning, escrito por sua grande amiga e roommate Luísa Galatti (também brasileira), co-produzido por ela e por outra amiga e roommate Giorgia Valenti (ambas também integrantes do Et Alia), e co-dirigido por ela e Ryan Cairns, um dos diretores de CherryBomb.

Mais informações sobre a atriz Ana Moioli e seus projetos estão no site www.anamoioli.com 

VIVIANE FAVER
Jornalista
[email protected]

VIVIANE FAVER

By VIVIANE FAVER

Jornalista radicada em NYC. Estagiou e trabalhou no Jornal do Commercio por 10 anos na editoria de economia. Mudou-se para NY em 2014, onde começou a colaborar para o jornal The Brasilians, o Extra, O Dia, CNN Style (Londres), New York Beacon, entre outros. Também trabalha com documentários, o mais recente foi o 'Queen of Lapa', que ganhou o prêmio no festival LGBT, NewFest, em NYC, em 2019.

Deixe um comentário